SOBRE MIM


Leonina de 34 anos bem vividos. Nasci em Salvador, mas amo Teresina. Cidade onde moro e quero viver os meus dias bem felizes. Uma mistura de Pollyana com Peter Pan. Vivo em "Busca da Terra do Nunca" achando que tudo acontece para o meu bem. Faço aqui minha catarse e minha terapia. Tenho me refeito a cada dia com minhas próprias reflexões. Sou uma criatura alegre e feliz. Meu maior sonho: SER MÃE!




MEU MANTRA


"Entrego
Confio
Aceito
Agradeço"
(Hermógenes)




CONTATOS IMEDIATOS


Anucha Melo anuchamelo@uol.com.br anuchamelo@hotmail.com Meu flog





HUMOR






O QUE TOCA MINHA ALMA


A vida em preto e branco
Ambidestro
As Anormais
A casa de papel
Loba, corpus et anima
A pergunta que não quer calar
A dona do amor
Brinquedoteca
Brincando com Clarinha
Beth Boop
Bem aqui assim
Blônicas
Colcha de retalhos
Casa da Tuka
Carpinejar
Coisas de Bruna
Casa de Boneca
Coisas de Deus
Conversa de mulheres
Casa de Rubem Alves
Artes com trastes...
Cabaré do Marquim
Nadica de Nanda
Diário de Mim Mesma
Dani Rêgo
Dani-se
Enquanto não durmo
Entre tantas
Flog da Tyci
Flog da Claudinha CB
Teófilo Lima - flog
Guinho flog
Gualberto Jr
Heart's Place
Hai-kai do Daniel
Leila Eme
Ladra do bem
Linda Menininha
Meu flog
Oceanos e desertos
Piauimagens
Queira ouvir
Quadrado quase perfeito
Ser sentido
Superfície da alma
Sonhos e realidades
Salto Quebrado
Sol cultura
Tenho que me perder...
Templo de Hecate
Todas as minhas vidas
Um amor pra recordar
Um dia a gente aprende
Verbo amar
Voando pelo céu da boca
Tô sabendo
Ventania
Mudanças e adaptações
Tarde de chuva
Palpiteira
Verdes Verdades
Humores
Cambalhotas de Irrealidades
Diário Evolutivo
Blog da Onça
Em poucas palavras
Blog da Florcita
Faxina
Sentir é um fato
Femme Sapiens
Viver em segredo
Viajante
Dance with me?
Madrugada na sala
Luz de Luma
Batendo asas
Meu mundo
Deixa eu quieto
Nosso Quintana
As filhas do dono
Caminhar
Avesso dos ponteiros
O Pluto é filho da pluta
Reallidade torta
Bloco do eu sozinho
O Rebelde
Jardim das Violetas
Quem sabe uma (quase) Bridget?
Opiniões femininas
Palavras
Esferográfica azul
Giramundo gira eu girassol
Rainha de Copas
Neurose de mim mesmo
Gérbera Laranja
Cantos Gerais
Cosmopolitan Girl
Adoro reticências...
Som de cor de mim
Flog da Paulinha
Blog da Mari
Terehell
Blog da Magui
Entendeu ou quer que eu desenhe?
Blog da Caíla
Café do Dom
Blog da Oda
Donaella





SELO



Se eu tivesse mais alma para dar, eu daria. Isso para mim é viver!





O QUE VIVI


01/12/2006 a 15/12/2006
16/11/2006 a 30/11/2006
01/11/2006 a 15/11/2006
16/10/2006 a 31/10/2006
01/10/2006 a 15/10/2006
16/09/2006 a 30/09/2006
01/09/2006 a 15/09/2006
16/08/2006 a 31/08/2006
01/08/2006 a 15/08/2006
16/07/2006 a 31/07/2006
01/07/2006 a 15/07/2006
16/06/2006 a 30/06/2006
01/06/2006 a 15/06/2006
16/05/2006 a 31/05/2006
01/05/2006 a 15/05/2006
16/04/2006 a 30/04/2006
01/04/2006 a 15/04/2006
16/03/2006 a 31/03/2006
01/03/2006 a 15/03/2006
16/02/2006 a 28/02/2006
01/02/2006 a 15/02/2006
16/01/2006 a 31/01/2006
01/01/2006 a 15/01/2006
16/12/2005 a 31/12/2005
01/12/2005 a 15/12/2005
16/11/2005 a 30/11/2005
01/11/2005 a 15/11/2005
16/10/2005 a 31/10/2005
01/10/2005 a 15/10/2005
16/09/2005 a 30/09/2005
01/09/2005 a 15/09/2005
16/08/2005 a 31/08/2005
01/08/2005 a 15/08/2005
16/07/2005 a 31/07/2005
01/07/2005 a 15/07/2005
16/06/2005 a 30/06/2005
01/06/2005 a 15/06/2005
16/05/2005 a 31/05/2005
01/05/2005 a 15/05/2005
16/04/2005 a 30/04/2005
01/04/2005 a 15/04/2005
16/03/2005 a 31/03/2005
01/03/2005 a 15/03/2005
16/02/2005 a 28/02/2005
01/02/2005 a 15/02/2005
16/01/2005 a 31/01/2005
01/01/2005 a 15/01/2005
16/12/2004 a 31/12/2004
01/12/2004 a 15/12/2004
16/11/2004 a 30/11/2004
01/11/2004 a 15/11/2004
16/10/2004 a 31/10/2004
01/10/2004 a 15/10/2004
16/09/2004 a 30/09/2004
01/09/2004 a 15/09/2004
16/08/2004 a 31/08/2004
01/08/2004 a 15/08/2004
16/07/2004 a 31/07/2004





MEU IBOPE









LAYOUT


Template by Pattie


CRÉDITOS


Blog da Pattie - La mia vita tra le dita !


La mia vita tra le dita



Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com



Getty Images







O haver
Vinícius de Morais

(O Poetinha tem mais a dizer do que eu...)

 

Resta, acima de tudo, essa capacidade de ternura
Essa intimidade perfeita com o silêncio
Resta essa voz íntima pedindo perdão por tudo
– Perdoai-os! porque eles não têm culpa de ter nascido...

 

Resta esse antigo respeito pela noite, esse falar baixo
Essa mão que tateia antes de ter, esse medo
De ferir tocando, essa forte mão de homem
Cheia de mansidão para com tudo quanto existe.

 

Resta essa imobilidade, essa economia de gestos
Essa inércia cada vez maior diante do Infinito
Essa gagueira infantil de quem quer exprimir o inexprimível
Essa irredutível recusa à poesia não vivida.

 

Resta essa comunhão com os sons, esse sentimento
Da matéria em repouso, essa angústia da simultaneidade
Do tempo, essa lenta decomposição poética
Em busca de uma só vida, uma só morte, um só Vinicius.

 

Resta esse coração queimando como um círio
Numa catedral em ruínas, essa tristeza
Diante do cotidiano; ou essa súbita alegria
Ao ouvir passos na noite que se perdem sem história...

 

Resta essa vontade de chorar diante da beleza
Essa cólera em face da injustiça e do mal-entendido
Essa imensa piedade de si mesmo, essa imensa
Piedade de si mesmo e de sua força inútil.

 

Resta esse sentimento de infância subitamente desentranhado
De pequenos absurdos, essa capacidade
De rir à toa, esse ridículo desejo de ser útil
E essa coragem para comprometer-se sem necessidade.

 

Resta essa distração, essa disponibilidade, essa vagueza
De quem sabe que tudo já foi como será no vir-a-ser
E ao mesmo tempo essa vontade de servir, essa
Contemporaneidade com o amanhã dos que não tiveram ontem nem hoje.

 

Resta essa faculdade incoercível de sonhar
De transfigurar a realidade, dentro dessa incapacidade
De aceitá-la tal como é, e essa visão
Ampla dos acontecimentos, e essa impressionante.

 

E desnecessária presciência, e essa memória anterior
De mundos inexistentes, e esse heroísmo
Estático, e essa pequenina luz indecifrável
A que às vezes os poetas dão o nome de esperança.

 

Resta esse desejo de sentir-se igual a todos
De refletir-se em olhares sem curiosidade e sem memória
Resta essa pobreza intrínseca, essa vaidade
De não querer ser príncipe senão do seu reino.

 

Resta esse diálogo cotidiano com a morte, essa curiosidade
Pelo momento a vir, quando, apressada
Ela virá me entreabrir a porta como uma velha amante
Mas recuará em véus ao ver-me junto à bem-amada...
 
Resta esse constante esforço para caminhar dentro do labirinto
Esse eterno levantar-se depois de cada queda
Essa busca de equilíbrio no fio da navalha
Essa terrível coragem diante do grande medo.

 

O POST CONTINUA AQUI EMBAIXO... continue!



Escrito por Anucha às 23h12

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Dia de despedida da Dedila. Dia de saudade. Dia de mudeza da alma...

 

 

EU TENHO TANTO PRA FALAR...

 

Mas tô correndo, tô na luta, tô sem tempo, tô sem saco.

Poderia aqui fazer uma retrospectiva 2005 da Anucha. Acho até que planejei isso pro blog. E seria o certo a fazer. Mas não me sinto estimulada. Talvez não queira remexer nas dores, mexer no que está quieto.

Talvez porque eu espero realmente apagar esse ano da minha história. (Como se fosse possível...) Talvez porque eu desejo muito, muito que 2006 chegue sorrindo pra mim. E faça dos meus dias uma alegria constante. (Como se fosse assim...) Talvez porque eu acredite que mereço mais da vida. (Como se eu fosse a única...)

Mas, gente, primeiro de tudo, quero pedir perdão pela ausência nos blogs. Sei que tenho perdido muito de vocês por lá... Mas a quem eu primeiro preciso perdoar é a mim mesma, viu? Na quinta passada, fiz uma coisa que já queria ter feito há mais tempo: fui visitar as famílias dos meus ex (pelo menos os ex mais importantes da minha vida, inclusive o recente... que me deu um nó no juízo). E foi uma tarde de alegria e perdão. Alegria de reencontrar com meus afetos mais caros. Perdão (ou a concessão dele...) por intermédio da mãe do ex mais recente. O Padre Tony disse numa homilia que Natal sem a promoção do perdão não é Natal. Fui pelo menos tentar fazer isso.

Sexta e sábado foram de pouca festa e muito aconchego dos amigos. Presente mais que bom que a vida me deu! De hoje pra quarta, arrumo os “panos de bunda” pra viajar com a Sayô pra Parnaíba, o litoral do Piauí. Quatro dias de mais descanso que diversão, certamente. Mas, de verdade, tô precisada disso. Sair daqui e respirar o ar da praia, sentir a maresia, ver o pôr-do-sol na Pedra do Sal, pegar uma cor... E tomar aquele banho de mar pra tirar lá da alma tudo o que ainda amedronta, dói e pesa. Deixar as ondas do mar levarem pra longe o que não me faz bem.

Feliz 2006 pra mim, pra você, pra nós! Calma, Paz e Alegria de montão!  



Escrito por Anucha às 23h07

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Essa foi a minha gargalhada mais gostosa de 2005 (Lícia, eu e Marquim)

Então... BOM NATAL! (rs)

Não vou mentir pra vocês... Meu espírito no Natal nunca foi dos melhores. Fico baixo astral, coim saudade da minha mãe e me sentindo meio triste com essas festas que esbanjam comida quando tem uma porrada de gente sem nem um pão pra comer. Sim, mas isso é o que eu penso! Amanhã, vou "ceiar" na Casa das Botelhas, uma família que ganhei de presente quando conheci a Lis há quase 20 anos. Aí, veio a Liciane, depois a Lísia, depois a Lícia... e ainda em a Lívia. Todas irmãs. Minhas irmãs. É assim que eu me sinto lá: em casa! O Tio Botelho sempre foi um paizão pra mim também, mas hoje mora no "andar de cima". E a Tia Jesus é daquelas mães de todo mundo. E, claro, minha também. Como não pode deixar de ser... SÓ PRA CONTROLE! A Lícia chamou a Stelminha e o André para ir pra lá depois da ceia na casa deles. Já vi tudo. Folia muita! Bem, hoje, eu tive uma conversa dolorosa com a minha sobrinha Dedila. Mas isso é assunto para o próximo post. Me cobrem... Quero desejar tudo de bom pra vocês e me aproveito da mensagem de Natal linda que meu amadíssimo amigo Luizinho de Aracaju deixou aqui hoje. Reproduzo com todo o carinho do mundo pra vocês.

É bom quando chega o Natal, porque o Natal é DEUS resistindo e insistindo em convencer todas as pessoas a trocar:
• a crueldade pela fraternidade,
• o ódio pelo amor,
• a violência pela paz,
• a exclusão pela acolhida,
• a dúvida pela fé,
• a ofensa pelo perdão,
• a tristeza pela alegria,
• a indiferença pela solidariedade,
• o egoísmo pela partilha,
• a morte pela vida.

A gente sente bem mais forte que chegou a hora de sonhar de novo que este mundo pode mudar, para ser do jeito que DEUS desejou: sinal do Seu Reino entre nós.

FELIZ NATAL!



Escrito por Anucha às 21h04

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Eu sou uma das pessoas mais alegres que eu conheço!

Eu no dia da festa Bossa Chic 2004 (alegria em pessoa!)

Ontem, na última aula do módulo sobre Imagem do curso de especialização em Telejornalismo, uma dinâmica nos expôs a todos. Cada aluno “na berlinda” foi analisado pelos colegas em pedacinhos de papéis anônimos. Acho um horror esse tipo de exercício, ou seja lá o que for. Constrangimento desnecessário! Mas, enfim... Vou me deter a um único comentário a meu respeito: “DEVE SE DESLIGAR DO SEU PASSADO RUIM...” E já sei até quem o escreveu. Uma pessoa que amo de paixão. Um colega que quero ter sempre por perto. E questionei logo a ele a razão do comentário.

Ele disse que eu deveria apagar o blog. Tudo o que já escrevi. Como um FHC que rasgou a tese de sociologia, sabe? Retruquei de bate-pronto. Jamais! E ele disse que lê sempre e acha que eu “carrego” uma dor muito pesada, que isso demonstra ser eu alguém muito, muito triste, que sofre demais. Aí, eu rebati: “mas eu sou essencialmente alegre! Só que passei por problemas e como faço do meu blog uma catarse, é lá que eu desabafo.” Então, ele disse algo que me paralisou: “Mas quando você se mostra alegre soa falso, forçado...”

My God do Céu! Não posso crer que alguém que conviva, mesmo que superficialmente, comigo não veja a limpidez com que levo a minha vida. Não posso me imaginar sendo confundida com alguém que não é autêntica, coerente, sincera, verdadeira. Não consigo engolir o fato de que se possa pensar de mim como alguém que age de “um jeito falso pra jogar pra platéia”. Não. Eu não sou isso. Se mostro minha dor, quando ela existe, é justamente porque sou cristalina, transparente. O que deve ser considerado ou questionado, talvez, seja justamente isso que traduz o título do meu blog: SE EU TIVESSE MAIS ALMA PRA DAR, EU DARIA... E já me prometi pensar e pesar melhor tudo isso em 2006.

(Abro um parêntese pra dizer que isso não é de jeito nenhum uma resposta ao meu querido colega que falou aquilo lá de cima. Já conversamos um pouco e ficamos de amadurecer melhor essa história...)

Mas é que esse é um bom mote para um bom post de final de ano. Quando a gente repensa a vida, a conduta, a postura, a moral e os bons costumes... (rs) Então, queria ratificar aqui o que disse no título: EU SOU UMA DAS PESSOAS MAIS ALEGRES QUE EU CONHEÇO. Sem nenhuma falsa modéstia. Gosto de ser assim. Alegre, calorosa com as pessoas, sorriso aberto e braços idem para um abraço. Ah, adoro distribuir beijos também. Sempre foi assim. Desde menina. Sou, como se diz popularmente, uma pessoa dada!

Por essa razão, me sinto estimulada a reproduzir aqui parte de um mail que uma leitora assídua do blog me mandou. E vou resguardar a identidade dela, porque se ela quisesse teria comentado no blog, né? Então... no mail, ela diz que gosta muito do que escrevo, que a toca como se eu estivesse escrevendo pra ela. “...as poesias em forma de música, os trechos de textos que vc coloca lá... isso tudo tem me ajudado muito e achei que seria bom vc saber disso.  E como está chegando o natal e ano novo quero desejar a você, meio como retribuição, aquilo que sempre desejo aos meus amigos... Calma, muita calma... é isso que eu desejo a você!”

Aí, ela mandou um texto, poema, ou sei lá o quê, cuja autoria, segundo ela, é de Carlos Drummond de Andrade. Achei que poderia finalizar com ele e, de já, desejando o mesmo pra todos. Acho mesmo que a gente precisa de boas doses de CALMA na vida pra seguir firme e consciente de que O MELHOR ESTÁ POR VIR!

          "(...) Você já reparou que ninguém deseja calma a ninguém, na época de desejar coisas?

Deseja-se prosperidade, paz, amor, isso e aquilo ("tudo de bom pra você”), mas todos se esquecem de desejar calma pra saborear esse tudo de bom, se por milagre ele acontecer, e principalmente o nada de bom, que às vezes acontece em lugar dele".

 



Escrito por Anucha às 21h52

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Eu também estava com saudade...

 

Respondendo de uma forma geral a todos os comentários no último post do blog:
Teresina é uma cidade interessante. Todo boteco vira o melhor lugar do mundo para encontrar os amigos. A festa quem faz é a turma, né? E, graças a Deus, tenho andado sempre bem acompanhada! (Sorte minha, né?!)
Escrevo rápido porque penso rápido, sou agitada. Escrevo como penso e falo... então, sai tudo assim meio como uma “carretilha louca”...
Sabe a melhor coisa do mundo? Saber que uma atitude sua ou uma palavra pode fazer um amigo sorrir ou mudar o astral da água pro vinho.
Natacha já recebeu o beijo, viu, Loba!?
Lela mandou um mail pra mim sobre simbologia de tatuagens. E eu fiquei beje ao ver o significado do beija-flor...

 

Prestenção! A Lela me disse que o “beija-flor reflete a espiritualidade. O coração dele corresponde a 60% do seu peso total? Talvez, ao eternizarmos um beija-flor em nossa pele, queiramos simbolizar o quanto somos prevalentemente emoção e em busca da plenitude espiritual.” {Será que tem a ver comigo isso? Caramba! Juro que me impressionei.}
Óia! No sábado, a Cacha veio almoçar aqui em casa com o Xande (um irmão pra minha irmã). E pense numa tarde massa! Furupamos muito os três. Gargalhamos, vimos DVD do Beto Guedes, tiramos fotos na digital (muitas) e esticamos até 7 de noite nessa folia. De noite, fomos pro MPBar. Eles foram na frente pra pegar uma boa mesa e eu fui com a minha LOTAÇÃO buscar a Stelma, a Sanka e a Sayô nas suas respectivas casas. E ninguém pense aqui que to reclamando. Eu ADOOOOOOOOORO fazer isso. Encontramos Marido e Marida (Cláudio e Roberta) lá curtindo muito! A mesa ainda faltava o André, que agitou muito com a gente. Era Dandinha no vocal, que não deixou a gente sentado do meio pro fim da noite. De lá, eu, Sayô, Stelma e Sanka ainda passamos na Tapera. Não deu outra... eu e André engatamos no forró. E ainda dançamos umas quatro músicas. Lanche no Dogão e casa pra dormir...

 

Xande, eu e Cacha

 

Eu, André, Sayô e Stelma

 

Eu e Carla Noara

 

Tu acredita!? (Me lembrei do Luiz imitando uma bichinha... Uma graça!) No domingo, eu, Cacha, Xande e Licinha fomos pra Fazenda da Lis. Aniversário da minha Lidchinha, como eu chamo a Lis. Muito churrasco e cervejinha gelada. Dia todo torrando na piscina. Foi muito legal. E a gente ainda teve fôlego pra ir de noite pro Café Café bater papo: eu, Lícia, André e Hélio.
Afe! Hoje, dia de correria. Café da manhã do Senador Heráclito Fortes com os jornalistas. A melhor e única oportunidade do ano que todos os colegas têm pra se encontrar, confraternizar e matar a saudade. Adoro rever o Cláudio Barros, a Socorro Sampaio, a Cris Ventura, a Cláudia Brandão, a Natacha Maranhão, a Cínthia Lages e tantos outros colegas e amigos de profissão. Agora, tô aqui curtindo uma morrinha no corpo de uma gripe que se anuncia de novo. Corpo mole, tosse chata e nariz entupido. Chega, né?
Ó, gente! Eu tô bem. Sinto que o ano está terminando bem pra mim. Arrependida de umas burradas. Feliz com gente nova que trouxe luz à minha vida. E muito entusiasmada com o ano que tá chegando. Mas isso é assunto pros últimos posts deste ano. Deixo vocês com um lindo poema da Lela, que resgatei nos meus arquivos, aguardando uma boa oportunidade de ser postado. Chegou! 

 

A mulher que há em mim e sou
Lela

 

Quem é esta mulher
Que sou e chora entre sorrisos
Palavras até então desconhecidas?
Quem é esta mulher que em mim,
Oculta, revela-se?
Quem é esta mulher que entregue,
Nada espera?
Quem é esta mulher que faz das cicatrizes
Estradas a percorrer?
Quem é esta mulher que sendo eu mesma
De mim se distancia?
Quem é esta mulher que brinca de acolher
Quando, à espera de um colo, silencia?
Quem é esta mulher que tão firmemente
Insiste em me encarar frente ao espelho e diz:
Eu sou o que de ti não mostras,
Mas a ti pertences e domina.
Sou o teu querer
Que te consumindo, sacia.
Sou teus desejos não confessos.
Sou teus temores, tremores,
Dores e analgesia.
Sou tua menina.
Sou tua mulher.
Sou!



Escrito por Anucha às 08h33

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Eu, Geninho, Sayô e Stelminha no Café Café (ver flog)

Já sei me bastar...

 

Não. Essa não é uma versão da música “Já sei namorar”, dos Tribalistas. Foi um trecho da mensagem que acabei de mandar pra Lícia pelo celular. Explico: sai da especialização correndo pra me arrumar pra sair com a Sayô, conforme a gente tinha combinado. Pedida da noite: boate Zap, show com Teófilo Lima e Mary Jane. Me empetequei toda. Saia-boneca, blusa da hello-kitty, sandalhona alta, bolsinha de paty, rímel no olho, gloss nos lábios. Peguei uma Sayô ainda cansada de ontem e com sono...

Resultado: na porta da boate, só teen. Opção 2: MPBar. Não era o Vavá Ribeiro e não tinha ninguém conhecido. Opção 3: voltar pra casa e deixar a saída pra amanhã mesmo.

Se não tem tu, vai tu mesmo, né? Pois, então, fomos brincar de brasa: cada qual pras suas casas. Não voltei soltando foguete, claro, né, Sayô!? Mas sabia que não estressei, como seria comum em outros tempos??? Cheguei em casa, preparei um misto quente, leite com toddy light e vim aqui atualizar meu blog e meu flog (com as fotos da festa do Café Café. Vão lá ver!). E era isso que eu tava querendo dizer pra Lícia. Acho que a terapia está produzindo seus efeitos. Eu estar em casa curtindo a minha própria companhia, ouvindo Skank na Rádio Uol e achando tudo legal... é uma boa conquista, viu? Tô feliz por isso!

Mas ontem no Café... foi tudo de bom. Stelminha se esbaldou, Natacha, Xande, Claudinha e Eduardo invadiram a pista de dança. Sayô se achou e se sentiu. Cesário extravazou. E mais... Lícia e Hélio, Liciane e Reginaldo, Tatiana e Jefferson... todos fizemos a festa ficar ainda mais animada ao som da Mano Crispin e da Mary Jane. Os meninos da Mano continuam meus xodós. E essa Mary Jane tem melhorado e muito. É, hoje, pra mim, a melhor banda-cover de Teresina. Banda afinadíssima: William, Tiago e Sandro. Vocal sensacional: Elaine. Repertório: irrepreensível!

Amanhã, dia cheio. Café da manhã de aniversário do Firmino Filho no Encontro dos Rios. Almoço aqui em casa com Cacha e Xande. Maria vai preparar um guizado de carneiro. (Alguém é servido?). De tarde, vou fazer as unhas e levar a Dedila pra passear. À noite, o combinado é: Dandinha e banda no MPBar. Encontro das blogueiras: Anucha, Sayô e Sanka. Com o convite especial para Stelminha, nossa leitora assídua!

Arremate final: fiquei feliz de encontrar o Kécio hoje. Kécio é irmão do Hildemar Júnior, com quem namorei e fui noiva. Batemos um papo rápido e reforcei a promessa que fiz de visitar a Tia Pinha (mãe deles) antes do Natal. Vou cumprir!

Ei, gente, tá dando pra sentir que eu JÁ SEI OLHAR O RIO POR ONDE A VIDA PASSA SEM ME PRECIPITAR E NEM PERDER A HORA. BUSCO NO SILÊNCIO QUE HÁ EM MIM E BASTA. NOVO TEMPO COMEÇOU PRA MIM AGORA! (Ana Carolina)

 



Escrito por Anucha às 02h16

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com