SOBRE MIM


Leonina de 34 anos bem vividos. Nasci em Salvador, mas amo Teresina. Cidade onde moro e quero viver os meus dias bem felizes. Uma mistura de Pollyana com Peter Pan. Vivo em "Busca da Terra do Nunca" achando que tudo acontece para o meu bem. Faço aqui minha catarse e minha terapia. Tenho me refeito a cada dia com minhas próprias reflexões. Sou uma criatura alegre e feliz. Meu maior sonho: SER MÃE!




MEU MANTRA


"Entrego
Confio
Aceito
Agradeço"
(Hermógenes)




CONTATOS IMEDIATOS


Anucha Melo anuchamelo@uol.com.br anuchamelo@hotmail.com Meu flog





HUMOR






O QUE TOCA MINHA ALMA


A vida em preto e branco
Ambidestro
As Anormais
A casa de papel
Loba, corpus et anima
A pergunta que não quer calar
A dona do amor
Brinquedoteca
Brincando com Clarinha
Beth Boop
Bem aqui assim
Blônicas
Colcha de retalhos
Casa da Tuka
Carpinejar
Coisas de Bruna
Casa de Boneca
Coisas de Deus
Conversa de mulheres
Casa de Rubem Alves
Artes com trastes...
Cabaré do Marquim
Nadica de Nanda
Diário de Mim Mesma
Dani Rêgo
Dani-se
Enquanto não durmo
Entre tantas
Flog da Tyci
Flog da Claudinha CB
Teófilo Lima - flog
Guinho flog
Gualberto Jr
Heart's Place
Hai-kai do Daniel
Leila Eme
Ladra do bem
Linda Menininha
Meu flog
Oceanos e desertos
Piauimagens
Queira ouvir
Quadrado quase perfeito
Ser sentido
Superfície da alma
Sonhos e realidades
Salto Quebrado
Sol cultura
Tenho que me perder...
Templo de Hecate
Todas as minhas vidas
Um amor pra recordar
Um dia a gente aprende
Verbo amar
Voando pelo céu da boca
Tô sabendo
Ventania
Mudanças e adaptações
Tarde de chuva
Palpiteira
Verdes Verdades
Humores
Cambalhotas de Irrealidades
Diário Evolutivo
Blog da Onça
Em poucas palavras
Blog da Florcita
Faxina
Sentir é um fato
Femme Sapiens
Viver em segredo
Viajante
Dance with me?
Madrugada na sala
Luz de Luma
Batendo asas
Meu mundo
Deixa eu quieto
Nosso Quintana
As filhas do dono
Caminhar
Avesso dos ponteiros
O Pluto é filho da pluta
Reallidade torta
Bloco do eu sozinho
O Rebelde
Jardim das Violetas
Quem sabe uma (quase) Bridget?
Opiniões femininas
Palavras
Esferográfica azul
Giramundo gira eu girassol
Rainha de Copas
Neurose de mim mesmo
Gérbera Laranja
Cantos Gerais
Cosmopolitan Girl
Adoro reticências...
Som de cor de mim
Flog da Paulinha
Blog da Mari
Terehell
Blog da Magui
Entendeu ou quer que eu desenhe?
Blog da Caíla
Café do Dom
Blog da Oda
Donaella





SELO



Se eu tivesse mais alma para dar, eu daria. Isso para mim é viver!





O QUE VIVI


01/12/2006 a 15/12/2006
16/11/2006 a 30/11/2006
01/11/2006 a 15/11/2006
16/10/2006 a 31/10/2006
01/10/2006 a 15/10/2006
16/09/2006 a 30/09/2006
01/09/2006 a 15/09/2006
16/08/2006 a 31/08/2006
01/08/2006 a 15/08/2006
16/07/2006 a 31/07/2006
01/07/2006 a 15/07/2006
16/06/2006 a 30/06/2006
01/06/2006 a 15/06/2006
16/05/2006 a 31/05/2006
01/05/2006 a 15/05/2006
16/04/2006 a 30/04/2006
01/04/2006 a 15/04/2006
16/03/2006 a 31/03/2006
01/03/2006 a 15/03/2006
16/02/2006 a 28/02/2006
01/02/2006 a 15/02/2006
16/01/2006 a 31/01/2006
01/01/2006 a 15/01/2006
16/12/2005 a 31/12/2005
01/12/2005 a 15/12/2005
16/11/2005 a 30/11/2005
01/11/2005 a 15/11/2005
16/10/2005 a 31/10/2005
01/10/2005 a 15/10/2005
16/09/2005 a 30/09/2005
01/09/2005 a 15/09/2005
16/08/2005 a 31/08/2005
01/08/2005 a 15/08/2005
16/07/2005 a 31/07/2005
01/07/2005 a 15/07/2005
16/06/2005 a 30/06/2005
01/06/2005 a 15/06/2005
16/05/2005 a 31/05/2005
01/05/2005 a 15/05/2005
16/04/2005 a 30/04/2005
01/04/2005 a 15/04/2005
16/03/2005 a 31/03/2005
01/03/2005 a 15/03/2005
16/02/2005 a 28/02/2005
01/02/2005 a 15/02/2005
16/01/2005 a 31/01/2005
01/01/2005 a 15/01/2005
16/12/2004 a 31/12/2004
01/12/2004 a 15/12/2004
16/11/2004 a 30/11/2004
01/11/2004 a 15/11/2004
16/10/2004 a 31/10/2004
01/10/2004 a 15/10/2004
16/09/2004 a 30/09/2004
01/09/2004 a 15/09/2004
16/08/2004 a 31/08/2004
01/08/2004 a 15/08/2004
16/07/2004 a 31/07/2004





MEU IBOPE









LAYOUT


Template by Pattie


CRÉDITOS


Blog da Pattie - La mia vita tra le dita !


La mia vita tra le dita



Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com



Getty Images







Eu, operadora da Bolsa de Valores

 

Começo fazendo um mea culpa básico com TODOS os meus amigos de blog que sempre estão por aqui... Perdoem a minha ausência! Não tenho sido grata ao carinho de vcs. Mas é que... procurem me entender. Voltarei à velha forma, prometo!

Continuo citando o finalmente de um mail massa que recebi indagorinha da Taís, leitora da Loba (minha queridíssima amiga de blog!) e que me afagou lindamente a alma com uma historinha que contou. Textualmente, cobre mim, ela disse: “A melhora se dá como em um gráfico da bolsa de valores... quando esta vai subindo aos poucos , tipo sobe 4 dias , desce 1 , sobe + 4, desce 1 etc... mas vai subindo!”

Engraçado, Taís! É exatamente assim que eu me sinto... Estive três dias super bem, forte e altaneira. Mas hoje... cai! Saudade é bicho ruim de curar! Mas eu vou me curar. Já disse isso pra mim. O negócio é você ter a coragem de dizer pra você que quer sair do atoleiro. Mas quando você diz, parece que uma coisa te impulsiona para uma única direção: À FRENTE!

Ontem, uma pessoa que eu não vejo, nem falo há um tempão me ligou. Helly Batista, uma pessoa muito querida, daqueles espíritos do bem, sabe? Pois prestenção nisso aqui: LIGOU PRA DIZER QUE SONHOU COMIGO E QUE NO SONHO EU ESTAVA VOANDO ALTO, LINDA, FELIZ E SEGUINDO PRA FRENTE. Não me contive... chorei. Ele perguntou se o sonho tinha me emocionado ou me ajudado. Poxa, Helly, você nem imagina como me ajudou! Se sonhos dizem mais do que supomos... esse sonho do Helly pode estar me dizendo que eu tô saindo de uma situação ruim e voando alto em outra direção PRA FICAR MELHOR!

O Márcio Bola me deu um alô no celular. Sei que gosta de mim, torce por mim e quer que eu esteja bem logo. Bom saber disso! Ficou de ligar pra tão prometida pizza. Sabe lá Deus quando...

Por fim, o Henrique Freitas mandou mais um texto que coloca a gente pra cima pro meu mail. Escolheu Drummond pra me mandar um recado muito bem dado:

Viver não dói

Definitivo, como tudo o que é simples. Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se  cumpriram.

Sofremos por quê?

Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter  conhecido ao lado do nosso amor e não  conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter tido junto e não tivemos, por todos os shows e livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado, e não compartilhamos.
Por todos os beijos cancelados, pela eternidade. 

Como aliviar a dor do que não foi vivido?

A resposta é simples como um verso: Se iludindo menos e vivendo mais!!!

A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade.

A dor é  inevitável. O sofrimento é opcional.



Escrito por Anucha às 01h19

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



“Eu sou, Eu quero, Eu posso”.

Ou então... EU SOU RESILIENTE!

 

Vi Alfie, o Sedutor hoje à tarde. E ouvi de novo a palavra RESILIÊNCIA, que foi tema de uma das melhores entrevistas do TUDO À TARDE, programa que eu apresentava na TV Meio Norte. Depois de uma bela conversa meio dia com uma professora da faculdade, que é espírita, e me fez ver melhor algumas coisas. Depois de uma hora de excelente conversa com minha terapeuta, que me fez enxergar outras tantas coisas, que eu estava meio cega pra ver. Hoje, quem saiu orgulhosa do consultório fui eu. Eu orgulhosa de mim.

Mas voltando à RESILIÊNCIA... Uma bela palavra, né, não? Que a Psicologia “roubou” da Física pra dizer de alguém que... “que adota algumas atitudes para resistir aos embates da vida... alguém que tem a capacidade de dar a volta por cima das situações de risco e voltar TRANSFORMADO, crescendo com a experiência...”

Pesquei num site, depois de uma pesquisa no cadê, não me pergunte qual porque eu tomei uns goles a mais de cervejinha lá no Marquim e não tenho condições de me lembrar... mas, sim... lá vai...

 

“Quando estamos diante de uma ventania em nossas vidas, a primeira fase é a da negação e de isolamento. A pessoa pensa: Não é possível que isto tenha acontecido comigo. Na segunda fase a pessoa fica com raiva. No caso da perda de um relacionamento: raiva do parceiro. A terceira fase é a da barganha: fazer promessas ver o que pode ser resgatado no namoro. A quarta fase é a da depressão, o fundo do poço. E a quinta fase é a da aceitação, a porta de saída da crise. É deixar o velho morrer e ingressar, de braços abertos, no novo.

É aprender com os obstáculos, “sofrimentos” e danos causados por um acontecimento levando a elaboração em outro nível de consciência.”

 

Pronto! É isso o que está acontecendo comigo. Quer dizer, são essas as fases que eu estou ultrapassando, com muita dignidade, sabedoria, paciência e RESILIÊNCIA.

Não me imagino rindo de tudo isso em algumas semanas. Provavelmente, chegarei à conclusão em alguns meses que isso tudo é trabalho do meu anjo da guarda pra me proteger de um mal maior. E eu, teimosa, não enxergo.

Mas, certamente, daqui a uns anos, terei a certeza de que fui RESILIENTE o suficiente para cair e me levantar ainda mais forte do que quando cai “catando mamona” (um expressão bem piauiense pra dizer quando a gente cai, se estatelando no chão, sabe?!)

O post de hoje eu dedico a duas amigas muito queridas: Lícia e Stelma, que, mesmo cansadas do dia intenso de trabalho, me fizeram muito bem hoje à noite no Cabaré do Marquim. Me ouviram mais um tiquinho e me disseram coisas que eu precisava e estava pronta pra ouvir!

Amigas, vocês são 10!

 

Pra fechar com Eduardo Galeano, que já esteve aqui em outras situações: SOMOS O QUE FAZEMOS PARA MUDAR O QUE SOMOS!



Escrito por Anucha às 02h02

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



DOIS BARCOS

Los Hermanos

 

Quem bater primeira dobra do mar

Dá de lá bandeira qualquer

Aponta pra fé e rema

 

É, pode ser que a maré não vire

Pode ser do vento vir contra o cais

E se já não sinto teus sinais

Pode ser da vida acostumar

 

Sobre estar só, eu sei

 

Nos mares por onde andei

devagar dedicou-se, mas

o acaso a se esconder

E agora o amanhã, cadê?

 

Doce o mar, perdeu no meu cantar...

 

Pra mim, chega!

Chega de lamúria, chega de chororô, chega de me maldizer, chega de se..., chega de tentar entender, chega de relembrar, chega de falar sobre, chega de dizer NÃO ACEITO, chega de bancar a coitada, chega de achar que a vida é só isso, chega de não me olhar no espelho, chega de meios sorrisos, chega de mensagens no celular, chega de novas tentativas, chega de bancar a idiota, chega de querer ser amélia, chega de pensar num futuro que não poderia ser, chega de dor de amor, chega de sofrimento em vão, chega de pensar coisa ruim, chega de cuidados não mais necessários, chega de me fechar pro mundo, chega de ser quem eu não sou... nem nunca vou ser. NEM POR VOCÊ, NEM POR NINGUÉM EU ME DESFAÇO DOS MEUS PLANOS... (O Fábio Jr é que tá certo!)

Desculpa, gente! Mas eu precisava desabafar. E tinha que ser aqui. Pra que eu mesma venha me “pescar” daqui por diante...



Escrito por Anucha às 20h58

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Algo mais...

 

“(...) Se fosse só sentir saudade
Mas tem sempre algo mais
Seja como for
É uma dor que dói no peito
Pode rir agora que estou sozinho
Mas não venha me roubar...

 

... Senti teu coração perfeito batendo à toa
E isso dói
Seja como for
É uma dor que dói no peito...

 

Vai ver que não é nada disso
Vai ver que já não sei quem sou
Vai ver que nunca fui o mesmo
A culpa é toda sua e nunca foi
Mesmo se as estrelas começassem a cair
E nos queimasse tudo ao redor
E fosse o fim chegando cedo
E você visse o nosso corpo em chamas...”

 

(Angra dos Reis – Legião Urbana)

 

Vi a matéria sobre o filho do Renato Russo domingo no Fantástico. E, de lá pra cá, um trecho dessa música não tem saído da minha cabeça: SE FOSSE SÓ SENTIR SAUDADE, MAS TEM SEMPRE ALGO MAIS... É esse algo mais que me incomoda. Que toma meus dias. Que sufoca. Que paralisa.

O sorriso, a gargalhada, o carinho, o chamego, a palavra, o amor. A promessa do futuro.

A merda é acreditar em promessas. Se a gente vai vivendo sem se prender no que é dito, sem acreditar na palavra... talvez as coisas tenham maior fluidez. O problema é que ouvi uma coisa dia desses e peguei pra mim como lema: PALAVRA DADA, HONRA EMPENHADA. Acho isso lindo! Mas nem todo mundo é como eu. Tenho muito respeito pelas palavras. Pelo que é dito. Aposto no que me é dito. Mas muita gente diz as coisas com uma irresponsabilidade quase infantil. Como se dizer não fosse meio caminho do fazer. Pra mim, é.

Ontem de noitinha, sufocada de tanta sinusite me incomodando, passei na locadora, peguei dois filmes, entrei na lan house pra ver uns mails (minha CPU tá na UTI), liguei pra Sayô e disse que ia lá, mas ficou tarde e acabei passando (porque era caminho) na casa da Licinha. Lá, exercitei o que aprendi na última matéria da série SER OU NAO SER, do Fantástico. Filosofia é a ignorância em busca do conhecimento. Quanto mais a gente pensa e discute o que pensa, mais as idéias vão ficando claras para gente.

Na conversa com a Licinha, pude entender muito do que eu ainda não estava enxergando. Pude concluir que o que era pra ser tá sendo e eu tenho só que me acostumar. É difícil, mas vou conseguir. Deus sabe o que faz, gente! Se pedi pra Nossa Senhora Desatadora de Nós para desatar aqueles nós mais difíceis... esse nó foi desatado. Não da maneira que eu achava que era a certa, a que eu julgava melhor pra mim. Mas do jeito que era pra ser, do jeito que eu mereço.

Com ou sem sofrimento... É O MELHOR PRA MIM.

PT saudações.



Escrito por Anucha às 09h53

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Chata de galocha!

 

É como estou hoje.

Testa e seios nasais inchados de sinusite, nariz entupido de rinite, garganta inflamada de amigdalite, corpo dolorido e febril.

Ressaca do casamento da Tia Jack. Mas não ressaca de bebida, mas de trabalheira mesmo. Fiquei meio de hostess, meio de auxiliar de fotógrafo e câmera e ainda fiz um esforço grande pra não parecer triste.

Tive uma conversa bem bacana com a Pauline, casada com meu Tio Célio. Eu cansada e com dois ou três doses de uísque. Ela, preocupada comigo e com muito mais doses de uísque que eu. Ela falou de uma conversa com a minha mãe sobre tolerância, sobre abnegação, sobre o amor no casamento, a luta diária de construir uma relação. E disse pra eu aquietar meu coração, que O MEU TÁ GUARDADO.

Ontem, fui almoçar na Casa das Botelhas. Tava meio mole da gripe. Tava meio chata. Saí de lá, passei na casa da Tia Nau pra comer um pedaço do bolo do casamento da Tia Jack e fui pra casa. Meio sonolenta, meio molenguinha... assisti ao Fantástico, adormeci na redinha e fui dormi na cama lá pras 12h30.

Hoje, tô sem sal. Desculpa aí, tá?



Escrito por Anucha às 10h56

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



FRASE NA FRENTE DOS MEUS OLHOS...

"NUNCA DESISTA DE NINGUÉM. MILAGRES ACONTECEM TODOS OS DIAS". (H. JACKSON BROWN JR)

Mas quero comunicar a quem interessar possa que eu estou desistindo de alguém. Alguém com nome, sobrenome e CPF, que me fez muito feliz de uns tempos pra cá, mas, agora, é motivo de muita dor. E eu não quero mais dor. Li num blog de um cara muito inteligente chamado Fábio Carpinejar o texto "O amor não é sofrimento". Ele disse uma coisa que foi como um soco no meu estômago:

"A ESPERANÇA NÃO É ENGANO, COMO VEM ACONTECENDO COM VOCÊ. A ESPERANÇA É FORÇA DE VONTADE E DEPENDE DE UM SINAL (QUE NÃO ACONTECEU). (...) AMAR É ALEGRIA INESPERADA, SÚBITA..."

Sem mais esperanças, fico por aqui. Minha alegria está triste e ainda vai ficar por um tempo. Mas o fato é que eu desisti porque parei de ter esperança. A vida vai me mostrar lá na frente que O UNIVERSO INTEIRO CONSPIROU PARA QUE FOSSE ASSIM E EU PUDESSE ESTAR FELIZ NO MOMENTO CERTO. E O MOMENTO CERTO NÃO É AGORA.

Hoje a Tia Jack casa com o Dilmar. E eu tô muito feliz porque ouvi dele uma coisa linda, que poucos homens têm peito de dizer em alto bom som:

"Daqui a muitos anos tu vai me ver tratando a tua tia do mesmo jeito de hoje, como uma rainha, porque ela merece e eu a amo".

Não, nem tudo está perdido. A minha tia teve que casar outras duas vezes antes pra encontrar o tal "príncipe do cavalo branco" que ela tanto esperava. O Dilmar é esse príncipe.

 



Escrito por Anucha às 01h21

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Superando a dor!

 

Cíntia e Cacá Silveira, Sayô, Lis, Geysa, Tetéia, Luciana, Amaro, Cristina, Aline, André, Roberto, Samara, Elias, Álvaro, Geninho, Juliatriz e seus teens e mais um montão de gente invadiu o Cabaré do Marquim nesta quinta. Há muito tempo não se via o Cabaré bombar desse jeito. Foi uma noite muito animada. Mas confesso que senti falta da Lícia e da Stelma. Minha companheirinhas de diversão. Minhas amigas queridas.

Ouvimos Cássia Eller, Zélia Duncan, Patrícia Mellody, Fernanda Porto, Vavá Ribeiro e Aviões do Forró.

“Eu esperei hora, esperei dia, esperei mês, esperei ano, esperei tempo pra ficar com você. Agora que está aqui comigo, por favor, não vá embora...” (Aviões do Forró)

Tomei meus dois camparis e, como aqui em Teresina tá fazendo um calor infernal, ainda acompanhei o Marquim na cerveja geladíssima. Terminei dançando um forrózinho com o André. Pense num cara que dança bacana! Tava com saudade de dançar com o Dezinho.

Hoje o dia de correria. Aliás, até amanhã vai ser assim. É que a Tia Jack casa amanhã e eu fiquei de dar uma força pra ela nuns detalhes. Eu e a Cacha vamos almoçar na casa dela e dengar um pouco essa tia querida, que é como irmã e um pouco mãe também (como ela mesma diz), e que ta indo embora pra Buenos Aires no domingo. Eita saudade que ta arrochada aqui, viu? A Dedila, filha dela e minha afilhada, fica só até dezembro. Depois, também vai morar lá. Vixe Maria, acho que a ficha ainda não caiu.

“CALMA. A ALMA PÕE CADA COISA EM SEU LUGAR...” Tô repetindo a Maria Rita aqui porque quero me convencer disso. Preciso entender que tudo tem o seu tempo. A dor precisa de tempo pra doer e sarar. E depois de sarada ainda temos que acomodar as cicatrizes dela num canto escuro da alma. Para vez ou outra lembrarmos dela e não cair na esparrela de fazê-la doer de novo. Porque essa dor dói demais. E não é bom deixar a dor doer tanto assim. Dor tem hora pra ir embora. E eu quero marcar logo a partida da minha no calendário.

Devo levar em conta o que me disse a minha terapeuta: “ESTOU MUITO IMPRESSIONADA COM A SUA CAPACIDADE DE SUPERAÇÃO!”

Porque, fechando com mais Maria Rita: "MUITO PRA MIM É TÃO POUCO. E POUCO É UM POUCO DEMAIS... E POUCO EU NÃO QUERO MAIS!"



Escrito por Anucha às 11h11

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Desculpa o sumiço!

É que aconteceram muitas coisas...
Primeiro de tudo: o Índio morreu. O Índio era o responsável pelo make up dos repórteres e apresentadores da TV Meio Norte, onde eu trabalhei, ao todo, três anos e meio. Aprendi a admira-lo, respeita-lo e a querer muito bem àquela figura debochada, alegre e com espírito de gaivota. Chamo de espírito de gaivota aquilo que impulsiona as pessoas pra vida, pra alçar vôos, pra se mostrar pro mundo. E isso o Índio fazia com maestria. Dava orgulho de ver.
Do que eu vou me lembrar do Índio? Do amigo. Incrível, mas devo admitir que por muitas vezes ele soube acolher a minha dor (aliás, as minhas dores...), tinha uma palavra de carinho e me fazia acreditar que a vida voltaria a sorrir pra mim. Foi assim até na última hora. Sim, eu o encontrei no dia em que ele voou lá pra riba. Um encontro rápido, sem combinação, lá na Árvore Propaganda. Ele chegou balançando os cabelos, com um sorriso de orelha a orelha, me abraçou, pegou “no meu coração” e perguntou: “Como é que cê tá?” Disse que tava mais ou menos e ele soltou uma de suas frases prontas de elevar auto-estima de amigo: “MAS AS COISAS VÃO ACONTECER PRA VOCÊ, PORQUE VOCÊ MERECE, É UMA PESSOA BOA, ACREDITE NISSO”.
Estive ontem na minha segunda sessão da terapia. Foi bom e ruim. Bom porque estava mais segura, mais levada a admitir minhas falhas e reconhecer onde devo melhorar. Ruim porque tive que assumir que minha tentativa de ser feliz com alguém em quem apostei muito naufragou. E é barra você olhar pra outra pessoa e dizer, como eu disse: “PERDI!” Aí, ela soltou essa: “TALVEZ!”
Tive uma conversa difícil ao telefone. Com alguém que motivou algumas das minhas dores últimas... Muito duro ter que dizer com todas as letras: “ACABOU!” Levar ao fim e ao cabo isso é que são elas. Mas nem que demore um pouco, eu vou conseguir.
O show do Zeca foi morno. Mas valeu ter ido e encontrado o povo. Quarta foi aniversário da Sanka e eu tive rapidinho na Praça do Calango pra abraçar essa amiga que a teia da Net me deu. Hoje é aniversário da Dani Soares, a minha linda Glitter Red, a quem eu desejo só sorrisos da vida. De noite, eu vou pro Cabaré do Marquim (quintal da casa do meu amigo que faz sushi como poucos..), porque eu preciso daquele astral de lá como vitamina pra continuar acreditando que TALVEZ ISSO TUDO QUE ESTÁ ACONTECENDO SEJA O MELHOR PRA MIM.
E porque eu tô gostando muito do novo da Maria Rita. Fiquem com SEM AVISO, e me leiam nas entrelinhas...

Anda tira essa dor do peito
Anda despe essa roupa preta
E manda seu corpo deslembrar

Canta, vira a dor pelo avesso
Canta, larga essa vida assim às tontas

Deixa o seu desengano na cama
Dê o tempo o tempo ao tempo
Calma, alma
Põe cada coisa em seu lugar
E o dia virá
Algum dia virá
Sem aviso então

Anda...
 



Escrito por Anucha às 10h15

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Vou dizer o quê?

 

Que hoje amanheci sem vontade de dizer nada, mas minha volúpia por escrever e botar pra fora o que tá aqui dentro não vai permitir...
Que ontem à noite assisti ao filme “Antes que o dia termine” e tirei de lá uma linda lição de vida...
Que tenho que ir à Aline dar a prova no meu vestido do casamento da Tia Jack, que já é sábado...
Que, por falar nisso, tenho que ir comprar o presente dela e do Dilmar e não sei direito o que vai ser...
Que estou contando as horas para ir à minha terapeuta amanhã e dizer pra ela que acho que estou melhorando...
Que o espelho revelou o que eu já estava gorda de saber: estou enorme e preciso urgentemente voltar aos meus 65kg...
Que a Cacha me deu um genérico do “Segundo” da Maria Rita e eu já gostei de ouvi-la cantando duas do Los Hermanos...
Que o Governador WD disse ontem no lançamento do Salão de Arte Santeira que tem orgulho de ter a Tia Jack na equipe...
Que isso deixou eu e a Dedila, filha dela, super-orgulhosas e a gente ficou até envergonhada como se não soubéssemos que é verdade...
Que eu estou de mal com a minha secretária por causa de umas “mal criações” e acho que vou acabar abrindo mão dela...
Que as dores das últimas semanas ainda latejam, mas eu estou percebendo que o tempo é um milagreiro mesmo...
Que eu tenho impressão que vou sair dessa mais cedo do que imaginava e que nada na vida merece meu desassossego...
Que ontem meio dia fui com Lícia, Marquim, Sandro e Aline fazer uma verdadeira orgia gastronômica: rodízio de picanha...
Que de tarde sucumbi à insistência da Sayô e fui correr na Raul, apesar de me sentir pesadona e justamente por isso...
Que hoje eu vou pro show do Zeca Baleiro e tem um monte de gente que eu adoro que vai também...
Que eu, Cacha, Sayô, Sanka, Aluska vamos cantar juntas: “VOCÊ ME FAZ PARECER MENOS SÓ, MENOS SOZINHO...”
Que eu não tô sabendo como fechar, então, deixarei vocês com a música que ELA canta pra ELE no filme de ontem:

 

“(...) NUNCA SABERÁ
SE NÃO SE SOLTAR.
EU TE AMO
VOCÊ ME AMA
RECEBA ESSE DOM
E NÃO ME PERGUNTE NADA.
PORQUE SE ME DEIXAR
PRENDEREI O QUE TE AMEDRONTA
MANTENHA-O NO SEU ÍNTIMO.
E SE ME PERGUNTAR POR QUÊ?
ESTOU CONTIGO E NUNCA O DEIXAREI
O AMOR MOSTRARÁ TUDO...”



Escrito por Anucha às 09h13

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Dia do anjo da guarda

 

A Delita disse no coments do post de ontem que hoje é DIA DO ANJO DA GUARDA. Eu não sabia. Mas sei que tenho uma anjo da guarda de verdade, claro. Um anjinho bem sapequinha, com asinhas brancas, que caiu do céu pra tomar conta de mim aqui em baixo, enviado por Deus.
Mas, se eu tivesse que elencar os meus reais anjos da guarda, poderia até cometer o pecado de esquecer alguém. Mas jamais poderia deixar de lembrar que, nas últimas semanas, algumas pessoinhas muito queridas FORAM, SÃO E SERÃO, SIM, MEUS ANJOS DA GUARDA.
Obrigada a todos os que passam nesse blog e deixam lindas mensagens bem pra cima pra mim e também aos que não deixam mais estão no que eu chamo de “CORRENTE DO BEM”.
Obrigada mesmo a: TIA INÊZ, CACHA, MEU PAI, MARQUIM, LÍCIA, HÉLIO, STELMA, SANKA, SAYÔ, DRICA E GRAÇA.
Obrigada muito especial a minha terapeuta, que, por razões óbvias, não revelarei o nome. Mas é uma espécie de mãezinha que eu ganhei. Senti isso na primeira sessão com ela. E acho que terei mesmo uma anja cuidando de mim daqui pra frente.
Retrospectiva básica:
SÁBADO, do Riverside fui pra Casa do Marquim. Foi legal, mas o calor me fez correr de lá rapidinho. Dei um tempo em casa. Me arrumei. E voltei pra lá. Márcio e Hatawa e o outro Márcio estavam lá. Dei um tempo, fui na festinha de despedida da Tia Jack, voltei pra pegar o Marquim, Sandro e Orgarina e fomos pro MPBar. Pois num é! Tinha mais de três meses que eu não pisava lá. Os garçons fizeram festa, o bar sorriu pra mim e a noite não poderia ser mais alto astral. Na mesa, além da gente que foi junto, Márcio e Hatawa, Sanka, Pretim e a Mel e a Sayô deram um tempo por lá também. Dandinha cantando foi tudo de bom! Cheguei em casa 3h30. Cansada e feliz por ter conseguido ficar feliz.
DOMINGO, fui lavar o carro com a Cacha na Maranhão, jogamos conversa fora, falamos da gente e cada uma prum lado. Ela foi encontrar com a Tia Jack e eu fui almoçar com a Sayô no Camarão do Elias. Legal como sempre. Peixe delicioso, cervejinha gelada e o papo de velhas e boas amigas que se amam e se respeitam. Levei o que sobrou do peixe pro Marquim, fomos pra casa da Lícia tomar uma garrafa de Periquita, passei no Casarão, onde ele já estava com a Tetéia e o Felipinho e vim correndo pra casa tomar banho e tchibungar na minha redinha.
COMO ESTOU? Meio anestesiada. Meio sem saber o que vai ser daqui pra frente. Meio sem querer mesmo procurar saber agora. Meio tentando ver qual é, sabe? Meio com vontade que tudo passe logo e eu posso rir disso tudo. SEJA LÁ DE QUE JEITO FOR.

Um pouco mais de Baleiro?

Porque ele vai estar nesta terça no Mangue Acústico!!!

 

QUASE NADA
“(...) qual é parte
 da tua estrada
no meu caminho
será um atalho
ou um desvio
um rio raso
um passo em falso
um prato fundo
pra toda fome
que há no mundo
(...)
de nós dois não sei mais nada
se tudo passa como se explica
o amor que fica nessa parada
o amor que chega sem dar aviso
não é preciso saber mais nada”.

 



Escrito por Anucha às 22h22

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Viagem pra dentro de mim

 

Acho que isso uma terapia. Comecei ontem e acho que fiz a melhor coisa da minha vida. Decidi por me descobrir, me aceitar e me melhorar.

As coisas aqui do coração não estão mal como na semana passada. Mas ainda doem muito. Tipo da dor que nem tem remédio e nem tem previsão de cura. O tempo é que vai serenando a mente, o pensamento, a lembrança, a saudade...

Ontem à noite, fui pro Labareda a convite da Lícia e do Hélio. Uma mesa grande e bastante agradável. Márcio e Hatawa, Márcio e Fábia, Saulo, Germano, Hamilton, Ari e Glauton. Me distraí. Uma conversa com o Hélio me despertou pra coisas que eu ainda não havia pensado. E fez com que eu concluísse outras. Deprimi um pouco.

Daqui a pouco vou encontrar a Lícia no Riverside pra um chopinho. Liciane, Hatawa e Fábia ficaram de ir também. De lá, vamos pra casa do Marquim, que agora serve panelada e sarapatel aos sábados.

Hoje a noite vai ser cheia: festinha pra Tia Jack, aniversário do George e despedida do Sandro no MPBar, com Dandinha, Soraia e Kaká. E uma galera ta marcando de ir. Tomara que dê certo. Tomara que eu consiga ficar bem.

Bom finde!

Deixo vocês com uma do Zeca Baleiro, que vai estar dia 4 de outubro no Mangue Acústico aqui em Teresina:

 

ALMA NOVA

“(...) COMO É QUE ALMA ENTRA NESSA HISTÓRIA

AFINAL O AMOR É TÃO CARNAL

EU BEM QUE TENTO

TENTO ENTENDER

MAS A MINHA ALMA NÃO QUER NEM SABER

SÓ QUER ENTRAR EM VOCÊ

COMO TANTAS VEZES JÁ ME VIU FAZER

E EU DIGO

CALMA ALMA MINHA

CALMINHA

VOCÊ TEM MUITO O QUE APRENDER...”



Escrito por Anucha às 10h53

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com