SOBRE MIM


Leonina de 34 anos bem vividos. Nasci em Salvador, mas amo Teresina. Cidade onde moro e quero viver os meus dias bem felizes. Uma mistura de Pollyana com Peter Pan. Vivo em "Busca da Terra do Nunca" achando que tudo acontece para o meu bem. Faço aqui minha catarse e minha terapia. Tenho me refeito a cada dia com minhas próprias reflexões. Sou uma criatura alegre e feliz. Meu maior sonho: SER MÃE!




MEU MANTRA


"Entrego
Confio
Aceito
Agradeço"
(Hermógenes)




CONTATOS IMEDIATOS


Anucha Melo anuchamelo@uol.com.br anuchamelo@hotmail.com Meu flog





HUMOR






O QUE TOCA MINHA ALMA


A vida em preto e branco
Ambidestro
As Anormais
A casa de papel
Loba, corpus et anima
A pergunta que não quer calar
A dona do amor
Brinquedoteca
Brincando com Clarinha
Beth Boop
Bem aqui assim
Blônicas
Colcha de retalhos
Casa da Tuka
Carpinejar
Coisas de Bruna
Casa de Boneca
Coisas de Deus
Conversa de mulheres
Casa de Rubem Alves
Artes com trastes...
Cabaré do Marquim
Nadica de Nanda
Diário de Mim Mesma
Dani Rêgo
Dani-se
Enquanto não durmo
Entre tantas
Flog da Tyci
Flog da Claudinha CB
Teófilo Lima - flog
Guinho flog
Gualberto Jr
Heart's Place
Hai-kai do Daniel
Leila Eme
Ladra do bem
Linda Menininha
Meu flog
Oceanos e desertos
Piauimagens
Queira ouvir
Quadrado quase perfeito
Ser sentido
Superfície da alma
Sonhos e realidades
Salto Quebrado
Sol cultura
Tenho que me perder...
Templo de Hecate
Todas as minhas vidas
Um amor pra recordar
Um dia a gente aprende
Verbo amar
Voando pelo céu da boca
Tô sabendo
Ventania
Mudanças e adaptações
Tarde de chuva
Palpiteira
Verdes Verdades
Humores
Cambalhotas de Irrealidades
Diário Evolutivo
Blog da Onça
Em poucas palavras
Blog da Florcita
Faxina
Sentir é um fato
Femme Sapiens
Viver em segredo
Viajante
Dance with me?
Madrugada na sala
Luz de Luma
Batendo asas
Meu mundo
Deixa eu quieto
Nosso Quintana
As filhas do dono
Caminhar
Avesso dos ponteiros
O Pluto é filho da pluta
Reallidade torta
Bloco do eu sozinho
O Rebelde
Jardim das Violetas
Quem sabe uma (quase) Bridget?
Opiniões femininas
Palavras
Esferográfica azul
Giramundo gira eu girassol
Rainha de Copas
Neurose de mim mesmo
Gérbera Laranja
Cantos Gerais
Cosmopolitan Girl
Adoro reticências...
Som de cor de mim
Flog da Paulinha
Blog da Mari
Terehell
Blog da Magui
Entendeu ou quer que eu desenhe?
Blog da Caíla
Café do Dom
Blog da Oda
Donaella





SELO



Se eu tivesse mais alma para dar, eu daria. Isso para mim é viver!





O QUE VIVI


01/12/2006 a 15/12/2006
16/11/2006 a 30/11/2006
01/11/2006 a 15/11/2006
16/10/2006 a 31/10/2006
01/10/2006 a 15/10/2006
16/09/2006 a 30/09/2006
01/09/2006 a 15/09/2006
16/08/2006 a 31/08/2006
01/08/2006 a 15/08/2006
16/07/2006 a 31/07/2006
01/07/2006 a 15/07/2006
16/06/2006 a 30/06/2006
01/06/2006 a 15/06/2006
16/05/2006 a 31/05/2006
01/05/2006 a 15/05/2006
16/04/2006 a 30/04/2006
01/04/2006 a 15/04/2006
16/03/2006 a 31/03/2006
01/03/2006 a 15/03/2006
16/02/2006 a 28/02/2006
01/02/2006 a 15/02/2006
16/01/2006 a 31/01/2006
01/01/2006 a 15/01/2006
16/12/2005 a 31/12/2005
01/12/2005 a 15/12/2005
16/11/2005 a 30/11/2005
01/11/2005 a 15/11/2005
16/10/2005 a 31/10/2005
01/10/2005 a 15/10/2005
16/09/2005 a 30/09/2005
01/09/2005 a 15/09/2005
16/08/2005 a 31/08/2005
01/08/2005 a 15/08/2005
16/07/2005 a 31/07/2005
01/07/2005 a 15/07/2005
16/06/2005 a 30/06/2005
01/06/2005 a 15/06/2005
16/05/2005 a 31/05/2005
01/05/2005 a 15/05/2005
16/04/2005 a 30/04/2005
01/04/2005 a 15/04/2005
16/03/2005 a 31/03/2005
01/03/2005 a 15/03/2005
16/02/2005 a 28/02/2005
01/02/2005 a 15/02/2005
16/01/2005 a 31/01/2005
01/01/2005 a 15/01/2005
16/12/2004 a 31/12/2004
01/12/2004 a 15/12/2004
16/11/2004 a 30/11/2004
01/11/2004 a 15/11/2004
16/10/2004 a 31/10/2004
01/10/2004 a 15/10/2004
16/09/2004 a 30/09/2004
01/09/2004 a 15/09/2004
16/08/2004 a 31/08/2004
01/08/2004 a 15/08/2004
16/07/2004 a 31/07/2004





MEU IBOPE









LAYOUT


Template by Pattie


CRÉDITOS


Blog da Pattie - La mia vita tra le dita !


La mia vita tra le dita



Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com



Getty Images







O quarto ano do resto de nossas vidas...

 

1º de agosto de 2001. Eu deitada na rede com minha irmã no apê da tia Inêz. Meu celular toca. O Tetio foi lacônico: “Anucha, venha dar um beijo em sua mãe!” Essa era a senha pra dizer que minha mãe tinha feito a “passagem”. Falo com esse eufemismo aí porque não tem coisa mais dura na vida de um ser humano que dizer: A MINHA MÃE MORREU. Tente dizer só de brincadeirinha pra você ver o sopapo que dá no coração. Parece que você perde as forças, o sentido.

Pois bem, foi assim... que eu meio que perdi mesmo o sentido na minha vida. Eu vivia pela minha mãe. Tudo o que eu fazia era para ver a aprovação dela. Ela se foi pro “andar de cima” e eu fiquei aqui sem norte.

Hoje mesmo... eu teria todos os motivos do mundo para estar feliz. Acordei cedinho, fui lá pro meu trabalho novo. Deu tudo certo. Só precisa afinar uns detalhes, mas o programa está bem bacana e acho que tenho boas chances de continuar ganhando aí meu dinheirinho e trabalhando com dignidade SEMPRE!

Mas... a falta da minha mãe só aumenta por causa de mais um detalhe, que não está bem. E é algo que eu não posso fazer nada, sabe? Não tem um momento da vida da gente em que a gente sabe como resolver uma determinada situação, mas não depende da gente para que a solução seja dada? Pois é, estou de pés e mãos atados. Sinto-me presa num cativeiro bem apertadinho, escuro e frio. E o pior... ninguém pode vir me salvar. Tenho que ficar aqui como numa solitária, cumprindo uma pena... mesmo sem merecer.

Amanhã, vou acordar cedo para ir à Batalha, cidade onde ela nasceu e onde está enterrada. Vou levar minhas florzinhas, acender minhas velinhas, fazer minhas orações, conversar com ela. Preciso sentir a força que vinha dela de novo. Só o olhar dela era como criptonita pra mim. Preciso sentir que não estou só. A mão que afagava a minha cabeça era a mesma que apertava o meu braço pra dizer: “Conte comigo, filha”. Preciso dizer umas coisas “no pé do ouvido dela”. Não me lembro de ter tido na vida alguém melhor ouvidora e melhor conselheira que ela. A Tia Inêz e a Tia Jack vão comigo. E a gente deve almoçar na casa do Tio Célio, aquele tio que eu amo de paixão, lembra?

Volto no meio da tarde da segunda. Quero estar aqui para abraçar quem precisa de abraço, dar colo a quem necessita de colo, aninhar quem carece de ninho.

Hoje, nem muito menos amanhã, não estou bem para postar coisas que façam vocês saírem daqui mais leves e alegres. Voltem outro dia da semana. Quem sabe até quinta, no meu aniversário, eu já esteja menos down...

P.S.: Quero agradecer à Licinha e a Tatiana pelas horinhas legais que passamos hoje lá no Toinho do Caranguejo. Deu uma serenada na minha cabeça!



Escrito por Anucha às 18h15

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



METADE DE MIM É O QUE EU PENSO...

 

“Que as palavras que eu falo não sejam ouvidas como prece nem repetidas com fervor. Apenas respeitadas como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos. Pois metade de mim é o que ouço, a outra metade é o que calo. Que a minha vontade de ir embora se transforme na calma e na paz que mereço. Que essa tensão que me corrói por dentro seja um dia recompensada. Porque metade de mim é o que penso a outra metade um vulcão. Que o medo da solidão se afaste… Que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável. Que o espelho reflita meu rosto num doce sorriso que me lembro ter dado na infância...” (Oswaldo Montenegro)

 

Quando eu digo que algumas pessoas têm o condão de “ler” outras pessoas...

O momento que eu to vivendo na minha vida pode ser sim refletido nessas palavras do Montenegro. Amo esse texto. Acho que eu era adolescente, 14, 15 anos, quando ele já fazia sentido pra mim. Mas, hoje, adulta, uma mulher quase quase de 34 anos, ele faz um sentido ainda maior.

Abri a boca e bater nos peitos e dizer que minhas PALAVRAS SEJAM RESPEITADAS COMO ÚNICA COISA QUE RESTA A uma mulher INUNDADa DE SENTIMENTOS... é forte demaaaaaaiiiiisssss!!!

Mas o que tenho a dizer mesmo agora as pessoas, todas elas, as que me amam, as que me admiram, as que querem o meu bem, as que não querem nem tanto... é que METADE DE MIM É O QUE EU OUÇO, A OUTRA METADE É O QUE EU CALO.

Não quero e não vou mais dar conta de mim como fazia antes. Não quero e não vou dar a chance às pessoas de, além de me darem a sua opinião quando eu peço, queiram também fazer prevalecer as suas vontades. Ouço e respeito. Acatar são outros quinhentos. E não quero que me queiram mal por isso. Apenas reflitam que tem uma hora na vida da gente que ficar só e tomar suas próprias decisões é o que há de mais importante a se fazer. É a velha história do ônus e do bônus... se eu errar, a culpa é minha... se eu acertar, o mérito é meu. Certo?

Ontem, ganhei um presentinho do meu chá de casa nova adiantado. A Cacha, minha irmã, me deu umas frigideirinhas e umas faquinhas bem bonitinhas. Hoje, foi o Áureo Jr que chegou aqui com uma linda moringa de alumínio com detalhe em laranja. Aí, botei ele aqui de frente pro computador para ver as fotos do apê. Ficou encantado e ainda me disse que vai me dar uma mão lá na decoração. Em troca, uma panelada daquelas feita pela Maria. Pra quem é do Sul e não sabe do que se trata... PANELADA é uma comida típica nossa do Nordeste, feita com vísceras do boi. Uma delícia!!!

Vou ficando por aqui, gente. Hoje, é o dia todo de ensaio pro Tenta Ganha estrear com tudo afinado. Claro que não vai ser perfeição, porque eu e o Marcelo temos que criar a intimidade própria do casal de apresentadores, que só se consegue com o tempo. Mas... amanhã às 9h30 estarei, pela TV Antena 10 e Meio Norte, apresentando o Tenta Ganha Show, ok?!

Bom fim de semana pra todo mundo. E meu carinho mais que especial para a Pattie, que deu os últimos retoques aqui no blog. E na Jen, que ajeitou o espaço para comentários no haloscan. Minhas lindas, vcs são feras!



Escrito por Anucha às 11h01

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Vou dar uma de Ladra do Bem...

 

 

Isso foi como homenagem pra mim no blog da Sayô e da Sarah. Fiquei toda envaidecida. A Sayô ta em Fortaleza... beijando mooooooito, que ela né nem besta! Aí a Sarah, socióloga da melhor estripe, postou Clarice Lispector para dizer em outras palavras que me saca, me lê como poucos. E olha que a gente nem conversa, que ela nem sabe de mim. Só pela percepção aguçada mesmo.

Mergulhar no que eu não conheço. É alguma coisa assim que tenho feito. E acho que todas as pessoas que querem viver de verdade devem fazer. Se permitir! Fazer como a Aluska disse num comentário que fez aqui ontem (que por sinal foi apagado, junto com mais uns 25 outros registrados no haloscan. Probleminha que a Pattie já resolveu!). A Lulu disse que eu devo lembrar da Amèlie Polan, do filme, que a gente não é feita de vidro. Se eu cair, não vou quebrar. O máximo que pode acontecer é me levantar pra cair de novo lá na frente. Porque a vida é isso. Cheia de altos e baixos. Cheia de surpresas, novidades, experiências novas.

Clarice é contundente, cortante, definitiva! Lembro que o primeiro livro dela que li foi “A hora da estrela”. Eu tinha apenas 14 anos e já queria ser gente grande. Li como quem devora as palavras. Queria acabar logo pra comentar com a minha mãe. Tipo de igual pra igual, olha! Me apaixonei pela Clarice Lispector. Gamei no sofrimento traduzido nas palavras, nos amores, nos relatos. Então, não dá para passar incólume por uma frase dessas:

 

“VIVER ULTRAPASSA QUALQUER ENTENDIMENTO”.

 

Hoje eu disse pro paquera: “Você é VIDA pra mim”.

Quis dizer simplesmente que ele trouxe vida pra mim, sinônimo de alegria, entusiasmo, bem estar, prazer.

Ele me respondeu na mesma moeda. Talvez de forma ainda mais incisiva:

“Você é ESPERANÇA”.

Me desmanchei em lágrimas. Nunca tinha ouvido isso de ninguém. Nunca tinha sabido de mim esperança pra ninguém. Nunca tinha me sentido assim.

Hoje o dia foi puxado. Acredita que eu passei quatro horas na Gorete, minha cabeleireira, retocando as mexinhas loirinhas? Eita que isso é um saco. Mas o resultado final ficou bacana. Valeu a pena! De noitinha, fui pra Árvore ensaiar com o Marcelo, meu patner no programa Tenta Ganha Show, que estréia neste domingo às 9h30 na Meio Norte e na Antena 10.

Dei uma passadinha rápida no Cabaré do Marquim. Tomei duas doses de SÓ ELE É ASSIM. Comi uns sushizinhos. Bati um papo com minha galera. E voltei pra casa, cansada, com sono, mas feliz.

EU ESTOU MUITO FELIZ. ESTOU VIVENDO A MINHA VIDA. ME PREPARANDO PARA BOAS NOVAS. SE HOUVEREM PEDRAS NO MEIO DO CAMINHO, ESTOU ME PREPARANDO PARA SUPLANTÁ-LAS. OU FAÇO ASSIM, OU DESISTO NO MEIO DO CAMINHO. MAS LÁ SOU MULHER DE DESISTIR, SIÔ!?

 



Escrito por Anucha às 00h09

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Pensar é transgredir!

 

A Kaká me deu esse livro no meu aniversário do ano passado. E ela nem sabe o valor que eu dei a esse presente... E Lya Luft não é um livro pra se ler de uma vez. Aprendi isso. É pra ser degustado delicadamente, sem pressa. E o incrível é que algumas vezes acontece assim: quando a gente lê um trecho parace que era exatamente isso que a gente queria que ela, a Lya Luft, falasse, entendeu?!

Bem, se não entendeu, vou direto ao ponto. Hoje, conversei um tempão com o Marquim ao telefone. Meu querido e fiel escudeiro está preocupado comigo. Preocupado de eu não estar feliz ou estar me precipitando em ir logo pro apartamento. Como todo bom amigo, ele pediu que eu refletisse mais. Lindo isso! Amigo que quer bem a gente. Mas o fiz entender duas coisas...

Primeiro: EU ESTOU FELIZ!

Segundo: ESTOU ABSOLUTAMENTE SEGURA DE QUE IR AGORA PRO MEU APÊ NOVO É O MELHOR A SER FEITO AGORA.

Aí, já estava me arrumando pra dormir quando peguei esse livro e comecei a ler como faço com toda Lya Luft... abri em qualquer página pra ver o que ela tinha pra me dizer hoje. Quer saber?

“Viver é cada dia se repensar: feliz, infeliz, vitorioso, derrotado, audacioso ou com tanta pena de si mesmo (...) Dizer SIM a si mesmo pode ser mais difícil do que dizer NÃO a uma pessoa amada: é sair da acomodação, pegar qualquer espada – que pode ser uma palavra, um gesto, ou uma transformação radical, que custe lágrimas e talvez sangue – e sair à luta.

Dizer SIM para o que o destino nos oferece significa acreditar que a gente merece algo parecido com crescer, iluminar-se, expandir-se, renovar-se, encontrar-se, e ser feliz.

Isto é: vencer a culpa, sair da sombra e expor-se a todos os riscos implicados, para finalmente assumir a vida!”

Então, o que aprendi com essa lição da Lya de hoje? Que o quê eu estou fazendo nesse momento na minha vida é literalmente dizendo SIM pra mim mesma!



Escrito por Anucha às 00h24

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Desculpa eu!?!

Gente, ontem, foi agoniado mesmo. Fiquei a tarde inteira na Árvore Propaganda, finalizando os últimos detalhes na primeira apresentação do Tenta Ganha Show, o programa que vai exibir o sorteio da Lotepi todos os domingos de 9h30 às 10h. E eu e o Marcelo Magno seremos os apresentadores. Assistam, viu?! Aí, quando sai de lá, fui correr na Raul Lopes e depois fui no apê do Reginaldo e da Liciane, onde já estavam Licianha, Hélio e Marquim. Foi legal. Eu é que não tava muito legal. Um estresse de nada com o paquera...

Hoje, acordei com ele me dizendo bom dia. Tem coisa melhor que um despertador desses? O seu amor acordando você com uma voz suave, longe, carinhosa... Aí, num deu outra. Passamos a manhã conversando. Precisávamos afinar umas canções, sabe? E foi um dos melhores encontros nossos. Eu o senti mais próximo. Ele me sentiu mais segura. Mesmo que o dia terminasse aqui... eu diria que foi o melhor dia de todos desde que eu o conheci. Hoje, eu pude ler, ver e sentir nos olhos dele, nas palavras da sua boca, no sorriso nos lábios... que a felicidade vem junto com o pacote!

O paquera pode, se ele quiser, ser O HOMEM DA MINHA VIDA!

Depois de dizer isso... posso parar por aqui, né, gente? Porque já tenho que ir lá pra Árvore de novo passar falas, treinar posicionamento de câmeras, entrosamento com os colegas... essas coisas do trabalho em tv, que eu acho bem bacana!



Escrito por Anucha às 14h10

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Image hosted by Photobucket.com

Hoje seu bloguinho faz um aninho de existência e está de roupa nova. Ainda quero lê-lo por muitos anos. Você é show !!! Espero que goste !!! Uma beijoca bem apimentada de sua conterrânea, Pattie.



Escrito por Anucha às 00h20

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Há um ano... direto do túnel do tempo!

 

Quem não lembra da voz sensual da Cissa Guimarães no Vídeo Show falando essa frase? Pois agora sou eu quem vos fala. Euzinha, que há uma ano escrevo escrevo os capítulos da minha vida aqui e exponho minhas verdades pra uma rede incógnita de leitores. Sim, porque, na semana passada, tomei um susto quando contei, pela primeira vez, a quantidade de gente que entra aqui por dia. São cerca de 150 pessoas/dia. É muita gente dando conta da minha vida, gente?!

 

Mas, sim... meu pai me perguntou dia desses até quando iria o que ele chamou de “brincadeira”. Primeiro de tudo: ISSO NÃO É UMA BRINCADEIRA! No sério, isso pra mim foi e é UMA REDESCOBERTA DE MIM. Como vou parar agora algo que só me leva pra frente, só me estimula, me liberta e me renova??? Falei hoje, na caminhada para a Tatiana Ibiapina... NÃO TEM COISA MELHOR DO QUE A GENTE APRENDER. E APRENDER CONSIGO MESMA (leia-se: meus erros e acertos!)TEM SIDO UMA EXPERIÊNCIA SEM PAR.

 

No meu primeiro post, às 22h48 do dia 26 de julho do ano passado, pus um texto da Rosana Braga que fala justamente de deixar aflorar a doçura da alma de cada um, de ser transparente. E transcrevo um trechinho aqui para corroborar com tudo o que TENHO DITO aqui nesse ano todo. Continuo pensando e agindo assim. E até quando esse blog existir a minha conduta será a mesma, o que já é de fato na minha vida real. Posto que na minha vida virtual sou nua e crua o mesmo que sou na real. E quem me conhece sabe disso.

 

Lá vai:

“É ter coragem de se expor, de ser frágil, de chorar, de falar do que a gente sente... Ser transparente é desnudar a alma, é deixar cair as máscaras, baixar as armas, destruir os imensos e grossos muros que nos empenhamos tanto para levantar...”

A minha mana Natacha foi uma das primeira a comentar nesse blog. E ela disse uma coisa muito legal, que eu faço questão de transcrever aqui também:

“O agora parece ser sempre o tempo mais indicado para a correção das imperfeições”.

Existe verdade mais absoluta? É aquela história do post de ontem... Para o futuro estar no tempo certo, a gente não pode deixar pra amanhã as coisas que acreditamos que vão nos fazer felizes hoje. Corrigir imperfeições é ir lapidando a pedra bruta. É aparar arestas. É se exigir menos e se conhecer mais. É se colocar no lugar certo, na hora certa. O mais é deixar que o tempo e, especialmente, o Deus se encarreguem de acomodar a minha vida me guiando pelo caminho certo na direção da pessoa certa. Pra que eu possa cantar um Ivan Lins assim:

 

“VIESTE COM A CARA E A CORAGEM. COM MALAS, VIAGENS PRA DENTRO DE MIM, MEU AMOR!”

P.S.1: Gostaram da surpresa? Peço que compreendam alguns retoques que a Pattie precisará ir fazendo aos poucos. São os ajustes da tecnologia, né?

P.S.2: Ah, agora eu tenho halloscan, um jeito muito melhor de comentar. Então, entrem no "afague a minha alma" de baixo, ok?



Escrito por Anucha às 00h03

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



O futuro na hora certa!

 

Recebi esse mail do meu amigo Alcione há umas duas semanas. Guardei e sabia que o usaria num momento apropriado. Num dia em que eu amanhecesse com vontade de dizer exatamente isso. Pois bem... Lá vai...

“Pode ser difícil fazer algumas escolhas. Mas, muitas vezes, isso é necessário. Existe uma diferença muito grande entre conhecer o caminho e percorrê-lo. Não procure querer conhecer seu futuro antes da hora. Nem exagere em seu sofrimento. Esperar é dar uma chance à vida para que ela coloque a pessoa certa em seu caminho”.

 

Aí, ele completou com um texto de François de Bitencourt:

 “A tristeza pode ser intensa, mas jamais será eterna.

A felicidade pode demorar a chegar, mas o importante é que ela venha para ficar e não esteja apenas de passagem, como acontece com muitas pessoas que cruzam nosso caminho”.

 

Eu acordei serena, como disse no flog. Aliás, você deveria dar uma passada lá. Mas, sim... e por que acordei assim? Porque decidi, com as mudanças que ocorreram de sexta pra cá, que vou agilizar minha ida pro apê novo. Antes, eu só ia se ISSO, se AQUILO... Agora, eu vou porque é melhor que eu encare logo as minhas escolhas de frente. É melhor que eu me imponha certos limites. É melhor que eu esteja só para digerir melhor minhas idéias. É melhor que eu me abrigue no meu próprio espaço para que possa abrigar alguém. É melhor que eu esteja segura das minhas decisões para que seja eu mesma o meu escudo.

“Meu escuro é meu escudo. Silencioso é meu coração...” (Zélia Duncan)

 

Passei a manhã em casa. Na Internet. Visitei uns 25 blogs mais ou menos. E sugiro aos que vêm sempre por aqui o mesmo roteiro: Loba, Adélia, Sayô, Cherry, Pinho, Mônica, Claudinha, Alex, Igor, Jen, Destro, Dira, Aluska, Carol F., Butterfly, Ju, Aline, Márcia, Débora, Valéria, Nirvana, Pattie, Érika, Kazinha, Ladra do bem, Cacau... Tá tudo linkado aqui no meu blog. Divirtam-se!

À tarde, fui almoçar na casa da Tia Jesus, depois levei o Reginaldo e a Liciane no apê novo (eles adoraram!), pegamos a Juju e a amiguinha dela e fomos assistir “A Fantástica Fábrica de Chocolate”!. Ai, me senti criança! Amei o filme, as lições do filme, a alegria do filme. O menininho do filme é o memso que faz o Peter no “Em busca da terra do nunca”. Gamei naquele garoto. E o Johnny Deep nem se comenta, né? Perfeito! Sai leve. O paquera ainda deu o ar da graça pra deixar meu dia mais completo. Sim, vou dormir feliz!

 

P.S.: Ah, adorei um comentário da Renata Magal aqui dia desses... Vou reproduzir... Porque massagear o ego às vezes é bom!

“Ai, anucha, vc tem que voltar a escrever em jornal. Pra todo mundo poder ler textos bacanas e com essa sua sensibilidade.”



Escrito por Anucha às 22h57

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Quê que eu fiz ontem?

 

Ontem fui dizer sim a uma proposta de trabalho. Sim, estou de novo empregada. Não é no jornalismo, como eu queria, mas é fazendo comunicação de alguma forma.

Tive uma conversa com o Jesus Filho, da Cidade Verde, na quinta-feira, e disse a ele que gostaria de começar tudo de novo: voltar a ser repórter, ou produtora, ou qualquer coisa que faz alguém que tá começando do zero, que é como eu estou me sentindo. Ele me pediu um tempo e já na sexta, muito, muito educadamente como é sempre, me disse que a TV dele é bastante enxuta e não daria para me contratar. Claro que entendi. Só pedi pra me deixar na manga, caso surja uma oportunidade. Ele disse: “CLARO QUE SIM!”

Aí, não contei conversa, deixei de me angustiar e fui logo resolver a questão. Na próxima semana, vocês já vão poder me ver no vídeo. Serei apresentadora dos sorteios da Lotepi, dividindo a apresentação com um colega. Aguardem!

Mais novidades? Bem, fui conversar com meu primo e a esposa dele, que são donos do apê que eu vou alugar. Eles já me entregaram as chaves, mas eu pedi um tempo a mais para ir de vez pra lá. Não tenho como ir agora. Só poderei me mudar no final de agosto. Coisa boa é lidar com gente boa. Ele disse: “CLARO QUE SIM!”

Antes, eu e a Cacha fomos almoçar na casa da Tia Jack. Pensa aí: ensopado de camarão, peixe frito e uma saladinha com rúcula maravilhosa. Huuuummm!!! Passei ou não passei bem? E ainda sai de lá com um canto da minha sala de presente. É que ela me deu um tapete de taboa lindíssimo, feito pela minha prima querida Teresa do Carmo, da Trapos e Fiapos. E ainda vai encomendar dois puffs de taboa pra colocar na sala e mais dois banquinhos com tampo de taboa pra bancada da cozinha. Eita, que é muito bom ter as coisas dando certo assim. Tô feliz! E tenho motivo, né, gente?!

À tarde, estive com o paquera. A gente tá se entendendo, sabe? Não é muito fácil, devo admitir. Mas já viu coisa fácil a gente dar valor? Nada foi fácil na minha vida. Sempre consegui tudo na ralação, no sofrimento, na peleja. E esse amor vai ser assim também. Pra que eu dê ainda mais valor a ele. Pra que eu o deseje ainda mais. Pra que eu seja plenamente feliz quando ele for pleno! Perguntei se vamos juntos pra praia no feriado de 12 de outubro. Ele disse sabe o quê? “CLARO QUE SIM!”

Agora, vou correr pra me arrumar e encontrar a Sayô e a Ju lá no Camarão do Elias. Ai, ai, ai... acho que vou ter que fazer um esforço muito grande pra comer camarão de novo no jantar. Desculpa aí, tá, gente?! (Brincadeirinha, viu?! Quem me conhece mesmo sabe que eu não tenho nada de esnobe. Até detesto que o é!)

Vou terminar com um diálogo que copiei do filme “Capitão Corelli”, com Nicloas Cage e Penélope Cruz. Um lindo filme, certamente!

 

“QUANDO VOCÊ SE APAIXONA É UMA LOUCURA TEMPORÁRIA.

A PAIXÃO SURGE COMO UM TERREMOTO E DEPOIS SE ACALMA. E, QUANDO SE ACALMA, VOCÊ TEM QUE TOMAR UMA DECISÃO. VER SE AS RAÍZES QUE FICARAM ESTÃO ENTRELAÇADAS AO PONTO DE SER INCONCEBÍVEL SE SEPARAREM.

PORQUE É ISSO QUE É O AMOR.

O AMOR NÃO É A FALTA DE FÔLEGO. NÃO É A EXCITAÇÃO. NÃO É O DESEJO DE ACASALAR A CADA SEGUNDO.

NÃO É IMAGINÁ-LO BEIJANDO CADA PARTE DO SEU CORPO.

ISSO É APENAS ESTAR APAIXONADO.

O QUE QUALQUER UM DE NÓS SE CONVENCE QUE ESTÁ.

AMOR É AQUILO QUE SOBRA QUANDO A PAIXÃO SE CONSUMIU.

NÃO PARECE MUITO EMOCIONANTE... MAS É!”

 



Escrito por Anucha às 19h45

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Ih!!! Sumi geral, hein?!

 

É, andei em desasossego comigo mesma. Precisei dar aquela paradinha básica, sabe? Ontem, não foi um dia lá muito, digamos... feliz. A minha vida não está esse mar de rosas, que, acredito, eu mereço. Mas tudo na minha vida é assim. Aliás, sempre foi assim. Quando vem um tranco ruim danado... vem um bocado junto. Mas, em compensação... depois da tempestade, vem a bonança. E eu to só espiando ela dar o ar da graça.

É, tenho mesmo esse jeito POLIANA de ser. “Só quero saber do que pode dar certo”! (Já dizia o poeta piauiense Torquato Neto, né?) Ontem, foi meio down. Mas hoje, depois de dormir exatas 8 horas de bom sono, já amanheci sorrindo pras paredes. Aliás, como você acorda todo dia? De mau humor? Pois eu acordo sempre sorridente, feliz, me iluminando com o sol!

Ontem, recebi uma proposta de trabalho. Nada que eu possa falar agora. Mas resolvi retomar minha conversa com o dono de uma emissora de TV, que eu procurei recentemente, para ver se daquele mato pode sair cachorro. Fiquei de dar a resposta para a tal proposta só depois. O que for... darei aqui em primeira mão, ok?

Ah, já tenho pelo menos oito caixas arrumadas para levar para o apê novo. Livros, CDs, fitas (isso, mesmo! Não me desfaço delas. São meu tesouro. 45 ao todo), roupas de cama, trecos de casa...). Neste fim de semana, vou começar a dar mais uma geral no meu guarda-roupa e começar a separar o que eu vou levar e o que eu vou deixar. Porque acho que não vou poder levar tudo.

CONTINUA NO POST DE BAIXO, OK?



Escrito por Anucha às 15h32

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Hoje, quero dividir com você uma poesia da Lela que me toca profundamente:

 

A mulher que há em mim e sou

Por Lela

 

Quem é esta mulher

Que sou e chora entre sorrisos

Palavras até então desconhecidas?

Quem é esta mulher que em mim,

Oculta, revela-se?

Quem é esta mulher que entregue,

Nada espera?

Quem é esta mulher que faz das cicatrizes

Estradas a percorrer?

Quem é esta mulher que sendo eu mesma

De mim se distancia?

Quem é esta mulher que brinca de acolher

Quando, à espera de um colo, silencia?

Quem é esta mulher que tão firmemente

Insiste em me encarar frente ao espelho e diz:

Eu sou o que de ti não mostras,

Mas a ti pertences e domina.

Sou o teu querer

Que te consumindo, sacia.

Sou teus desejos não confessos.

Sou teus temores, tremores,

Dores e analgesia.

Sou tua menina.

Sou tua mulher.

Sou!  



Escrito por Anucha às 15h32

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Porque o que vale são as coisas simples!

 

Ouvi essa frase ontem de um amigo que eu quero um bem enorme. Talvez ele nem sabe do tanto. Imagina! Ele foi meu professor de redação quando eu tinha uns 14 anos (vou fazer 34 no próximo dia 4!), me deu o meu primeiro livro de poesia (escrito por ele), sempre foi meu consultor para assuntos de literatura e boa escrita, foi em toda oportunidade o meu melhor entrevistado, quando o papo era cultura.

O nome dele é Cineas Santos e é uma das pessoas mais inteligentes e íntegras que eu conheço. Crítico mordaz, ser humano sensível, é daquele tipo que a gente escolhe amar, mesmo com o gênio absolutamente difícil.

Pois bem, na manhã da segunda-feira, fui fazer visitinha de luto para ele. Eu que sempre apareço lá para tomar uma taça de Dom José e jogar conversa fora... fui levar uma plantinha linda por nome de “moela de galinha” e meu beijo pelo falecimento de Dona Purcina, sua mãe.

Batemos um papo de coisa de uma hora. O seu filho Hermano escutava tudo como se recebesse uma lição. Nada de casa de ferreiro, espeto de pau. Ser filho do Cineas deve ser uma aula de vida 24 horas por dia. Não canso de dizer: Cineas é um dos amigos mais caros que tenho. E sei que a recíproca é verdadeira. A gente passa um tempão sem se ver. Mas num dia pra trás, quando ninguém ainda sabia que ele havia sofrido um baque, foi em mim que ele confiou. Mesmo sabendo que estava contando para uma jornalista aquilo que seria um escândalo e poderia ser material precioso para quem adora “fazer” uma manchete. Ele sabia que não era o meu caso. Ele me conhece. Me educou. Sabe de mim.

Hoje, o tempo fechou com o paquera. Mas a culpa foi exclusivamente minha. Eu não fui compreensiva como sempre fui. Eu não soube entendê-lo como sempre fiz. Eu não dei colo como sempre dei. Estava irritadiça. Infantil. Cobradeira das coisas. Não agi direito. A hora agora é de rever estratégias, ajustar condutas, quietar coração, cabeça e alma e seguir com o sonho.

Deixo vocês com uma alegria muito grande de receber umas visitinhas novas por aqui. SEJAM MUITO BEM VINDOS! E, claro, ficar muito mais feliz por ter feito pela primeira vez em quase um ano a contagem diária de acessos no meu blog. E sabe o que descobri? Pelo  menos 150 pessoas entram aqui a cada dia. Chegam, espiam, abastecem suas vidas dos meus relatos, desabafos ou toques e vão embora. Uma média de 10 pessoas deixam comentário. Significa menos de 10% dos que vêm aqui me lê.

Vou ficando com um texto mais que apropriado que meu primo querido e amado Mite deixou lá no meu flog www.anuchamelo.fotoblog.uol.com.br : 

 

"O Sonho não é tão simples quanto parece, pelo contrário, pode ser uma atividade perigosa. Quando queremos algo, fazemos uma escolha do preço a pagar. Pode exigir que abandonemos velhos hábitos, pode nos fazer passar dificuldades, desanimar e ter decepções, mas por mais alto que seja esse preço, nunca é tão alto quanto o que é pago por quem nunca viveu o seu sonho. Porque estes um dia vão olhar para trás, ver tudo o que não fizeram e escutar o coração dizer: desperdicei a minha vida."

Carol Villarpando



Escrito por Anucha às 23h53

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Um passo pra frente... outro pra trás!

 

A gente pensa que a vida é só andar pra frente. A gente pensa que seguir o caminho é só andar desenfreadamente no rumo da “venta” (expressão nordestina que quer dizer nariz!) A gente pensa que não precisa parar pra tomar fôlego, tomar água, tomar um café. A gente pensa que mais ninguém pode decidir sobre a caminhada. A gente pensa que ninguém pode interferir, impedir. A gente pensa que é só encher o tanque e vruuuuuummmm...

Nã nã nã nã não!

É preciso dar passos pra trás pra continuar a caminhada no rumo que a gente almeja. É necessário uma paradinha estratégica para traçar novas metas, pensar em novos trajetos, atalhos, desvios. A vida prega peças na gente. A gente pensa que ela é boazinha. Que vai ser melzinho na chupeta agora. Que céu, lua e estrelas estão sorrindo pra gente...

Qual o quê?!

Alguém que decide mudar de rumo, de plano, de casa, de vida tem que saber, ao levar uma topada (daquelas que arranca o couro do dedão do pé, sabe?!), só há uma coisa a fazer: SORRIR DE SI MESMO, LEVANTAR, DAR A VOLTA POR CIMA, PASSAR NA FARMÁCIA E FAZER UM CURATIVO.

Ora, ora, ora...

Vai ficar se lamentando que as coisas sempre dão errado? Ou vai se preparar para seguir viagem, descobrindo novas possibilidades de ganhar a próxima batalha? Sim, porque a guerra vai ser ganha. Só não se sabe quando. Mas a certeza da vitória deve continuar sendo a principal companheira.

Hoje, eu caí. Aliás, caímos eu e o paquera. Mas a gente é forte. Vai segurar essa barra. Vai passar por mais essa. Vai continuar acreditando que sonho quando se sonha junto já é realidade... já dizia o John Lennon!

Tô com as costas doídas de tanta tralha que eu remexi. Coisas ainda da mamãe, que no próximo dia 1º faz quatro anos que “viajou”. Lacrei mais umas quatro caixas. Numa caixona bem grandona coloquei todos os meus 10 álbuns de fotos e mais duas caixinhas médias com fotos avulsas. Minha vida contada em imagens! E pra onde for, levo tudo comigo.

Fico aqui, mas deixo vcs com o Zeca Baleiro em “Quase Nada”, ta?

 

“... Qual é a parte

da tua estrada

No meu caminho?

Será um atalho

Ou um desvio

Um rio raso

Um passo em falso

Um prato fundo

Pra toda fome

Que há no mundo...

 



Escrito por Anucha às 23h52

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



É a minha condição!!!!

 

“Eu não sou diferente de ninguém
Quase todo mundo faz assim
Eu me viro bem melhor
Quando tá mais pra bom que pra ruim

Não quero causar impacto
Nem tampouco sensação
O que eu digo é muito exato
E o que cabe na canção

Qualquer um que ouve entende
Não precisa explicação
E se for pensar um pouco
Vai me dar toda razão

A senhora, a senhorita e também o cidadão
Todo mundo que se preza
Nega fogo não

Eu não sei viver sem ter carinho
É a minha condição
Eu não sei viver triste e sozinho
É a minha condição
Eu não sei viver preso ou fugindo”
(Condição, Lulu Santos)

 

Acordei cedo e me embrenhei nas minhas arrumações para a mudança. Caixa daqui. Caixa de lá. Papel no saco de lixo. Cartas em caixa especial. Recordações das boas num canto preservado. Bilhetinhos do Papai pra Mamãe. Denguinho da mamãe pro papai. Recado da Cacha pra mim. Pedaço da papel com qualquer coisa escrita de mim pra ela. Rum. Tanta coisa pra lembrar e tantas outras pra guardar!

Dei uma pausa 1h30 e fui buscar o Marquim para um programa genial: levar cervejotas pra casa do Fábio Polar, onde ele nos esperava com camarão aferventado ao molho especial feito por ele (que leva sakura, alho, cebola e pimenta no fogo!), coxinha de galinha frita e um feijão tropeiro, que eu levei aqui do Carnaúba. Sim, eu sou vizinha do lugar onde se come uma das melhores carnes de sol de Teresina.

Bem, mas lá na casa do Polar foi realmente muito legal. Ficamos conversando na cozinha enquanto ele preparava as comidinhas pra gente. Ligamos pra Licinha só pra fazer inveja a ela. Quando na verdade, a gente é que tava com inveja dela lá em Luís Correia... Depois o Sandro chegou e a gente foi pra o Home Theater que ele montou. Pense num lugar massa! Ficamos cantando e dançando ao som do dvd do Cidade Negra e depois do Lulu Santos.

Vim de alma lavada, coração tranqüilo e feliz por ter amigos tão bacanas com quem compartilhar meus momentos mais especiais. É isso aí: eu estou num dos momentos mais felizes da minha vida. Tenho só que a aguardar a vida ser mais plena comigo. E ela vai ser, porque eu mereço!

Pra finalizar... pedi e ganhei do meu pai um fogão de presente. Pronto! Agora, só falta o chá de casa nova e mudar pro apê novo! Não nego. ESTOU ANSIOSA!!!

Sim, mas pra ratificar: EU NÃO SEI VIVER SEM TER CARINHO. É A MINHA CONDIÇÃO!



Escrito por Anucha às 21h10

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Casa dos meus afetos

 

Não poderia começar diferente este post de hoje. Devo falar da minha alegria ontem, sexta, durante a caminhada na Raul Lopes. Bem, tenho que começar do começo... na quinta, recebi um carinhozinho aqui no blog da Clara, a quem vou chamar de Clarinha. Aí, mandei um mail pra ela pedindo que ela falasse comigo na caminhada porque eu queria conhecê-la. Ela que disse acompanhar o meu blog desde o começo. Pois bem, ontem, lá estava eu correndo quando uma moça linda de cabelos longos e negros, os olhos expressivos e o sorriso lindo me abordou e disse: “Anucha, eu sou a Clara!”. Tomei aquele susto! Mas um susto bom. Fiquei emocionada com a singeleza da atitude. Com a delicadeza da abordagem. Dei-lhe um abraço forte e ela seguiu.

Clarinha, seja bem-vinda à casinha dos meus afetos!

Ontem á noite, dei bolo em todo mundo... Marquim, Flavinho. Vixe, tinha combinado de ir assistir ao show da Quinto Elemento no Churú com o Marquim e na hora H... dor de cabeça, dor no corpo (tô correndo 2 km na Raul, cara!) e ainda uma dor de cotovelo por causa de uma discussãozinha básica com o paquera. Aí, fiquei até quase duas da madruga fazendo um 5S nas minhas tralhas que preciso arrumar pra levar pro apê novo. Afe... parece aquela música dos Paralamas:

“EU HOJE JOGUEI TANTA COISA FORA.

EU VI O MEU PASSADO PASSAR POR MIM.

CARTAS E FOTOGRAFIAS, GENTE QUE FOI EMBORA.

A CASA FICA BEM MELHOR ASSIM...”

Hoje, missa do Franklin... Saudade, dor, amigos por perto. Eu sabia que não passaria incólume pela missa, cântigos, reflexões... Chorei a missa inteira. Estava frágil. Sentindo a falta não propriamente do Jacá da Juju, mas do jornalista sagaz, do colega e produtor incansável e competente, da criatura bem-humorada que fazia graça até de si mesmo, da gargalhada gostosa, dos conselhos sobre a vida, enfim... do Bela, como eu o chamava na intimidade.

De lá, conversa com a Tia Inêz sobre os lances da mudança pro apê. Oba, ela me deu a geladeira, ó! Mesmo com meu constrangimento, ela disse: “Minha filha vai mudar pra casa nova e eu não posso dar um presente?!” Como diz o Marquim: “TÁ BOM, ACEITO!” Aí, a Cacha chegou e a gente foi almoçar no Lau. Pense num almoço bom! Fazia tempo que eu não comia filé na chapa com arroz colorido e molho agridoce. ADOOOOORO! Depois ainda fomos tomar sorvete no Pura Fruta!

De tarde, encontro com o paquera. Momento de aproveitar a vida. Sorrir pra vida. Ter certeza que o universo inteiro está conspirando para que a gente fique junto e feliz. Como bem disse a Tia Inêz hoje pra mim: “É INCRÍVEL A FORÇA QUE AS COISAS TÊM QUANDO ELAS PRECISAM ACONTECER!” Está tudo dando certo pra mim. Devagar e sempre, as coisas vão se encaixando, se mostrando, se adequando.

Não quis sair hoje de novo. Motivo: tô com a casa revirada com essa história de mudança. Precisava dar mais uma vasculhada nas minhas coisas.

Vou terminar com uma música do Caetano, que passei o dia cantando, lembrando na voz da Bethânia:

“AH, ESSE CARA TEM ME CONSUMIDO.

A MIM E A TUDO O QUE EU QUIS.

COM SEUS OLHINHOS INFANTIS.

COM OS OLHOS DE UM BANDIDO.

ELE ESTÁ NA MINHA VIDA PORQUE QUER.

EU ESTOU PRO QUE DER E VIER...”



Escrito por Anucha às 01h43

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com