SOBRE MIM


Leonina de 34 anos bem vividos. Nasci em Salvador, mas amo Teresina. Cidade onde moro e quero viver os meus dias bem felizes. Uma mistura de Pollyana com Peter Pan. Vivo em "Busca da Terra do Nunca" achando que tudo acontece para o meu bem. Faço aqui minha catarse e minha terapia. Tenho me refeito a cada dia com minhas próprias reflexões. Sou uma criatura alegre e feliz. Meu maior sonho: SER MÃE!




MEU MANTRA


"Entrego
Confio
Aceito
Agradeço"
(Hermógenes)




CONTATOS IMEDIATOS


Anucha Melo anuchamelo@uol.com.br anuchamelo@hotmail.com Meu flog





HUMOR






O QUE TOCA MINHA ALMA


A vida em preto e branco
Ambidestro
As Anormais
A casa de papel
Loba, corpus et anima
A pergunta que não quer calar
A dona do amor
Brinquedoteca
Brincando com Clarinha
Beth Boop
Bem aqui assim
Blônicas
Colcha de retalhos
Casa da Tuka
Carpinejar
Coisas de Bruna
Casa de Boneca
Coisas de Deus
Conversa de mulheres
Casa de Rubem Alves
Artes com trastes...
Cabaré do Marquim
Nadica de Nanda
Diário de Mim Mesma
Dani Rêgo
Dani-se
Enquanto não durmo
Entre tantas
Flog da Tyci
Flog da Claudinha CB
Teófilo Lima - flog
Guinho flog
Gualberto Jr
Heart's Place
Hai-kai do Daniel
Leila Eme
Ladra do bem
Linda Menininha
Meu flog
Oceanos e desertos
Piauimagens
Queira ouvir
Quadrado quase perfeito
Ser sentido
Superfície da alma
Sonhos e realidades
Salto Quebrado
Sol cultura
Tenho que me perder...
Templo de Hecate
Todas as minhas vidas
Um amor pra recordar
Um dia a gente aprende
Verbo amar
Voando pelo céu da boca
Tô sabendo
Ventania
Mudanças e adaptações
Tarde de chuva
Palpiteira
Verdes Verdades
Humores
Cambalhotas de Irrealidades
Diário Evolutivo
Blog da Onça
Em poucas palavras
Blog da Florcita
Faxina
Sentir é um fato
Femme Sapiens
Viver em segredo
Viajante
Dance with me?
Madrugada na sala
Luz de Luma
Batendo asas
Meu mundo
Deixa eu quieto
Nosso Quintana
As filhas do dono
Caminhar
Avesso dos ponteiros
O Pluto é filho da pluta
Reallidade torta
Bloco do eu sozinho
O Rebelde
Jardim das Violetas
Quem sabe uma (quase) Bridget?
Opiniões femininas
Palavras
Esferográfica azul
Giramundo gira eu girassol
Rainha de Copas
Neurose de mim mesmo
Gérbera Laranja
Cantos Gerais
Cosmopolitan Girl
Adoro reticências...
Som de cor de mim
Flog da Paulinha
Blog da Mari
Terehell
Blog da Magui
Entendeu ou quer que eu desenhe?
Blog da Caíla
Café do Dom
Blog da Oda
Donaella





SELO



Se eu tivesse mais alma para dar, eu daria. Isso para mim é viver!





O QUE VIVI


01/12/2006 a 15/12/2006
16/11/2006 a 30/11/2006
01/11/2006 a 15/11/2006
16/10/2006 a 31/10/2006
01/10/2006 a 15/10/2006
16/09/2006 a 30/09/2006
01/09/2006 a 15/09/2006
16/08/2006 a 31/08/2006
01/08/2006 a 15/08/2006
16/07/2006 a 31/07/2006
01/07/2006 a 15/07/2006
16/06/2006 a 30/06/2006
01/06/2006 a 15/06/2006
16/05/2006 a 31/05/2006
01/05/2006 a 15/05/2006
16/04/2006 a 30/04/2006
01/04/2006 a 15/04/2006
16/03/2006 a 31/03/2006
01/03/2006 a 15/03/2006
16/02/2006 a 28/02/2006
01/02/2006 a 15/02/2006
16/01/2006 a 31/01/2006
01/01/2006 a 15/01/2006
16/12/2005 a 31/12/2005
01/12/2005 a 15/12/2005
16/11/2005 a 30/11/2005
01/11/2005 a 15/11/2005
16/10/2005 a 31/10/2005
01/10/2005 a 15/10/2005
16/09/2005 a 30/09/2005
01/09/2005 a 15/09/2005
16/08/2005 a 31/08/2005
01/08/2005 a 15/08/2005
16/07/2005 a 31/07/2005
01/07/2005 a 15/07/2005
16/06/2005 a 30/06/2005
01/06/2005 a 15/06/2005
16/05/2005 a 31/05/2005
01/05/2005 a 15/05/2005
16/04/2005 a 30/04/2005
01/04/2005 a 15/04/2005
16/03/2005 a 31/03/2005
01/03/2005 a 15/03/2005
16/02/2005 a 28/02/2005
01/02/2005 a 15/02/2005
16/01/2005 a 31/01/2005
01/01/2005 a 15/01/2005
16/12/2004 a 31/12/2004
01/12/2004 a 15/12/2004
16/11/2004 a 30/11/2004
01/11/2004 a 15/11/2004
16/10/2004 a 31/10/2004
01/10/2004 a 15/10/2004
16/09/2004 a 30/09/2004
01/09/2004 a 15/09/2004
16/08/2004 a 31/08/2004
01/08/2004 a 15/08/2004
16/07/2004 a 31/07/2004





MEU IBOPE









LAYOUT


Template by Pattie


CRÉDITOS


Blog da Pattie - La mia vita tra le dita !


La mia vita tra le dita



Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com



Getty Images







Eitaaaaaaaaaa...

Eu tô aperreadinhazinha... Trabalho tá me enlouquecendo. Mas eu tô feliz assim... Ontem, não andei mais por aqui por causa da fortíssissima chuva que caiu aqui na Chapada do Corisco. E que raios e trovões foram aqueles, meu Deus!?! Ainda sai debaixo daquela chuva. Fui pro Egipe com o André e lá encontrei só gente boa: Reginaldo, Liciane, Stanley, Luiz, Paula, Sílvia e Vivi. De lá ainda fomos pro Café Café. E lá é que a diversão foi legal memso. Luiz imitando bichinha é tudo de bom pra fechar com chave de ouro a noite. Muito bacana estar me aproximando do André também.

Hj vou pra festa de lançamento da Vibe e depois pro Cabaré do Marquim, lógico. Vou pegar a Sayô. E se a Cíntia aparecer lá com o violão na mão, eu tenho é pena de mim amanhã...

Ah, ontem me reencontrei através do MSN (santa internet!) com um amigo queridíssimo: Márcio Morais, que trabalhou comigo no jornal MN há seis, sete anos. Conversamos muito mesmo. Renovamos a nossa alegria de conversar e ele me disse uma coisa da qual havia me esquecido. Lembrou que eu adorava cantar a música da Vanessa Rangel, "PALPITE". E escreveu no final pra ver se eu não esqueço: "...E AÍ TUDO PODE ACONTECER DE NOVO PRA VOCÊ... PALPITE!" Eita, chega dá um frio na espinha ver alguém me ler dessa maneira e dizer algo tão positivo assim pra mim. Quer saber, Macinho? Acho que aos poucos está acontecendo...

Ah, e ontem também eu dei um abração de urso na Nairinha Denise, minha fãzinha e amiguinha de internet, que mora em Piripiri. Adorei, viu, meninazinha!?  

E, por fim, uma poesiazinha linda que pesquei lá no Oceanos e Desertos, da Adélia Campos. Olha que coisa isso aqui! Parece que foi feito pra mim ou por mim. Obrigada, Adélia!

"Lê-me nas tuas entrelinhas
É lá que minh' alma se engata
Quando o coração descarrilha."



Escrito por Anucha às 14h23

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Meus amores, que saudade!

Tô em falta, eu sei. Não passei aqui ontem. Mas foi por uma boa causa. Olha lá... depois de um dia corridíssimo de trabalho, fui andar com a Lícia na Raul Lopes (não falei pra vcs que voltei a malhar, né? pois é!) e na volta ainda passei pra ver o Maguin, a Louisiane e o filho deles que também tá aqui. Aí, tinha combinado de ir ao cinema com o André. E já cheguei em cima da hora em casa pra lanchar, tomar banho e correr pro cinema. Fui pontual. Ele já estava lá. Adoro pontualizade!

Vimos Constantine. Achei muito bacana. Pura diversão. Cinema é pra isso, né? Adorei a dica do Douglas Machado, antes do filme, pra gente ficar na sala de exibição até depois dos caracteres do filme... Todo mundo saiu e eu fiz o pobrezinho esperar uns 5 minutos ou mais até sermos brindados com uma cena extra, que certamente quase ninguém viu... O Constantine faz o motora dele virar anjo! Muito legal... Valeu, Douglas!

De lá, a gente ainda foi no Via Libre tomar uma cervejinha. Tava um friozinho e o mais apropriado seria um vinho... mas eu tava memso era com vontade de uma geladinha. Poxa, a gente conversou bem muitão. O André é um cara legal. Conhecer pessoas é realmente a melhor coisa do mundo. A gente sempre fica mais rico, né? Discute a própria vida, a própria história e a própria perspectiva da vida. tenho me permitido isso ultimamente. Coisa que eu não fazia por pura falta de tempo.

E tempo é prioridade, né? E a minha prioridade estava desfocada, desequilibrada, desorganizada. Agora não. Tenho tateado sobre aonde eu quero ir, onde quero chegar e pra onde eu vou logo em seguida. E quem anda comigo e convive comigo tem entendido isso, porque eu tenho procurado ser o mais clara possível. Estou vivendo, me testando, me descobrindo. As regras sobre o meu bem estar quem dita sou eu. Eu não quero me machucar. E, claro, nem machucar ninguém. 

Vou cuidar de mim. Da minha vida. Da minha alegria. Da minha disposição de ser feliz!  



Escrito por Anucha às 10h30

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Minha vida viajou 180 graus...

 

Por que tô dizendo isso? Vocês vão pensar que eu tô fobando, dando uma de gabola, ou me achando (igual a Taci do BBB). Mas vou ser muito sincera... e do contrário ninguém pode me acusar. Falo na lata o que penso, acho e sinto. Não é?!

Pois bem... esse troço de recuperar a auto-estima é curioso mesmo. Ontem, estava conversando com um amigo e disse a ele que o start nessa história começou quando eu me senti paquerada por pessoas que eu nem imaginava que me enxergavam. Quando a gente tá namorando e é apaixonada pelo namorado... parece que bota um negócio daqueles que se põe em jumento, pra que ele só ande em linha reta, sabe?!

Sim, mas... como eu ia dizendo, depois teve aquela pessoa que me olhou como se me desnudasse. E isso é bom de sentir, quando é feito com sutileza, elegância, delicadeza. Depois, vem uma criatura que toca em você e parece que vocês sempre sentiram “isso”, mas não tinham tido oportunidade de extravasar. Depois, os olhares, as paqueras, os bilhetes trazidos pelo garçom, a música que é oferecida no bar, as amigas comentando que sicrano tá olhando pra você, você ficando à vontade em qualquer canto. As coisas acontecendo com a naturalidade das coisas boas que precisam acontecer pra gente... pra que a gente se sinta viva.

Eu ando meio que levitando com tudo isso. Gente, fala sério! Eu nem me lembrava mais o que era isso. Quando eu tinha uns 15, 16 anos, lembro bem que eu era uma menina bem paquerada na escola. E é uma sensação legal essa de ser olhada, almejada, sei lá. Mas logo ali fui arrumar um namoro longo... aí, já viu, né? Aí, agora que eu dei uma emagrecida, tô ficando até meio gatinha, parece que as pessoas passam a te ver, te enxergar mesmo, notam a sua presença. É a ditadura da estética afirmando o que deve ou não deve ser admirado. Que horror... fazer parte dessa estatística!

Bem, mas tudo isso é pra dizer ainda que o melhor de tudo é me sentir decidindo as coisas. Buscando em mim a vontade ou não de agir, de dizer sim ou não, de querer ou não querer. E quando ajo, digo sim e quero, assumo as conseqüências. Disse um dia desses pra uma figura acolá: “SOU MEIO GERALDO VANDRÉ: EU FAÇO A HORA, NÃO ESPERO ACONTECER!”.

Enfim, tenho vivido essa experiência diferente e boa pra massagear o ego da gente. E queria dividir aqui com vocês que, mesmo não deixando pista de que estiveram aqui, têm me curiado com certa assiduidade, né?

 

Ouvi essa música hj num CD que a Drica me deu. E me vi nessa letra (Sá Marina – Wilson Simonal):

“Roda pela vida afora e põe pra fora essa alegria.

Dança que amanhece o dia pra se cantar.

Dança que essa gente aflita se agita.

E perde o compasso.

Mostra toda essa poesia no olhar”.



Escrito por Anucha às 01h20

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Ei, gente!

Passando pra dar um beijo rápido. Será que vou conseguir? (hehehehe). Em Campo Maior foi massa! Nunca tinha ido a um festejo assim lá. na verdade, foi só um show, mas já uma prévia pra mim do que poderá ser o festejo e santo antonio em maio, junho. E eu vou! Lá no Cirano e Cirino, eu, Marquim, Lícia, Hélio e uns amigos deles ficamos todos juntos. Muito legal. Revezamos a dança, eu Licinha e Érika, com o Hélio e o Paulinho. Adorei! me diverti tanto. Parecia uma menina véia do buchão. E eu adoro quando estou com esse espírito. me sinto jovem viva, bonita, feliz! É como estou, sem nenhuma modéstia!

Voltamos ao meio dia de hoje. Só fiz tomar banho e fui pra Alegria, pra feijoada de aniverário da Lilane. Pense num frio na barriga, o meu... Há um tempão sem pisar lá e para encontrar aquele povo todo que eu adoro e que há muito não via... Putz. Vou explicar pra quem não tá sacando... A Alegria é a casa dos tios do meu ex-noivo, o Júnior. Lugar onde eu ia frequentemente nos finais de semana. A primalhada toda reunida! Era muito, muito bacana. Hoje, no aniversário da Nêga, tava quase todo mundo lá. Quem não deveria estar não estava e, pra mim, foi melhor ainda.

A Lilane é uma pessoa muito querida pra mim. Certamente, uma das minhas melhores amigas. Confidente minha. Amiga companheira. Nem sei como consegui ficar tanto tempo longe dela. mas também não quero pensar mais nisso. Quero eu, que sou a rsponsável pelo nosso afastamento, recuperar todo o tempo perdido. E comecei por hj. O tio Herbert, pai dela, fez cuchá (nem sei se é assim que se escreve...), uma comidinha maranhense, especialmente pra mim. Dizendo ele, né?! E eu repeti umas três vezes. Adoro aquele gostinho azedo daquele engrolado verde e saboroso!

Bem, rever Ênio, Renata, conhecer os filhos deles... rever o Récio e Samara, Glauco e Silvia, Sérgio e Ana, Marcelo e Laline, Éder e Samantha, Zé e Nilsa, Vanessa e Ney, Jorgito, Alice e Derly, Rodrigo, Eduardo, tia Hermengarda, tia Erlene... ai, como me senti bem, em casa, acolhida, como sempre!

Hj de noite, "revi" um monte de gente de uma vez só no msn: Penélope, Tunino, Josh, Marcelo, Nairinha, Álvaro, Cícero, Amélia e Gualberto. Caramba, nem sei como consegui teclar com todo mundo quase ao mesmo tempo. Mas tava com saudade de alguns em especial, que estavam há mais tempo sem aparecer. O Marcelo Evelin ligou pra mim de Amsterdã pra agradecer por eu ter ligado pra ele no dia do aniversário na quinta. Quanta gentileza! E aí o adicionei no msn... acabou entrando logo em seguida! Alegria pra mim.

P.s.:Tá vendo como não consegui ser breve!?! Num tem jeito. Sou faladeira demais... (escrevedeira, no caso, né?!)



Escrito por Anucha às 21h11

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



ANTES DE AMANHECER

 

Acho que eu tinha uns 20 anos quando assisti a esse filme. Lembro muito bem da história: um cara lindo, uma menina linda, ambos viajando de trem com destinos diferentes. Mas decidem se conhecer melhor. Saltam em Paris para, até o amanhecer, viverem uma linda história de amor.

Na época, chegava a suspirar com a possibilidade de viver algo assim. Me imaginava viajando pela Europa, um sonho que um dia ainda irei realizar, e encontrando alguém assim exatamente naquela situação. Durante muito tempo, lembrava daquele filme com emoção.

Ontem, vi na locadora que os mesmos atores protagonizaram a continuação do enredo: “ANTES DO PÔR-DO-SOL”. No filme, eles se encontram muitos anos depois na mesma cidade, mas com destinos ainda mais diferentes. Eles estão maduros, cheios de novidades para contar, passeiam pela cidade a pé (vale conferir as locações!) e terminam por se descobrirem um o amor da vida do outro.

Mas uma cena do filme me marcou, apesar do sono de lascar que eu tava ontem. Quando ela vira para ele, tipo pra justificar o fato de nunca tê-lo esquecido, e diz, quase poeticamente:

 

“AS PESSOAS TÊM UM CASO OU ATÉ RELACIONAMENTOS, TERMINAM E ESQUECEM TUDO. MUDAM COMO QUEM TROCA DE MARCA DE CEREAL.

SINTO QUE NÃO ESQUEÇO AS PESSOAS COM AS QUAIS ESTIVE. PORQUE CADA UMA TEM QUALIDADES ESPECÍFICAS.

NÃO DÁ PRA SUBSTITUIR NINGUÉM. O QUE FOI PERDIDO ESTÁ PERDIDO. CADA RELACIONAMENTO QUE TERMINA ME MAGOA. NUNCA ME RECUPERO.

(...) VOU SENTIR SAUDADE DAS COISAS MUNDANAS DAQUELA PESSOA. TENHO OBSESSÃO PELAS COISAS PEQUENAS. ESSES PEQUENOS DETALHES ME COMOVEM E SINTO SAUDADE DELES DEPOIS.

NADA PODE SUBSTITUIR NINGUÉM. PORQUE TODO MUNDO É UMA SOMA DE PEQUENOS E BELOS DETALHES”.

 

Acho que me vi um pouco nessa personagem. Senti como se eu estivesse relatando o que sinto de fato sobre pessoas com as quais estive. Posso relembrar claramente de “coisas pequenas, detalhes” de algumas das pessoas mais encantadoras que passaram na minha vida. Até das menos encantadoras também.

Porque gente tem o poder de preencher a gente, né? E a gente não se esvazia para dar lugar a outra história, outro alguém, outro amor. A gente vai completando a vida da gente, adicionando novos belos detalhes para lembrar depois com carinho, saudade, ternura. Pra sempre!

P.s.: tô indo pra campo Maior daqui a pouco com a Lícia. Tenho a impressão que a gente vai se divertir pra caamba por lá.



Escrito por Anucha às 10h53

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Tentei colocar essa música no post de baixo. Mas a Uol não deixou. Pedindo pra reduzir o número de caracteres. Que saco! Então, resolvi postar aqui em cima.

 

CANÇÕES DE REI

Max Viana

 

Se eu fosse algum rei

Fosse o teu senhor

Eu proclamava a tua boca

Um reinado meu

O teu corpo nu

Meu santuário

Se eu fosse algum rei

Teu imperador

Eu ordenava teu coração

A gostar do meu

Cada dia teu

Meu calendário

Inventava canções de rei

Conquistava o teu amor

Desobedeceria a lei

Revelava quem eu sou

Te mostrava que só eu sei

Onde tudo começou

Inventando canções de rei

Pra enfeitar o nosso amor.

 

P.s.: Ando apaixonada pelo Max Viana, o filho do Djavan. Essa música é uma das lindas músicas do CD Calçadão.



Escrito por Anucha às 23h00

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Ando meio desligada...

(não me leve a mal)

 

Bem, ontem, fui pro Mpbar com a Sayô mesmo. Só eu e ela, mas logo ali chegaram o Fabim e a esposa dele, a Simone. Vavá cantando. De novo. Mas o legal é que o Leo Dias tocou. O Machado Jr e o Geraldo Brito também. E sabe quem acabou subindo pra cantar? Euzinha aqui.Isso mesmo. O Machado chamou e, como não tinha mais muita gente no bar, lá fui eu. Até que não me saí mal não, viu? O melhor da noite? Eu e a Sayô, que estávamos sem saber uma da vida da outra há mais de 10 anos, conversamos bem muitão. Ela me pôs a par de tudo da vida dela. E eu contei alguns fatos que marcaram a minha vida. Foi bem legal.

Ontem, teve um fato novo pra mim. Um cara que tava no balcão me mandou bilhetinho e demonstrou interesse em me conhecer. Quando eu fui ao banheiro, ele me abordou. Conversamos um pouco. O cara é até boa pinta, sabe? Parece simpático também. Mas eu não tava muito a fim de dar atenção.

Hoje, depois do Tudo à Tarde, fui encontrar com o Reginaldo e a Liciane na casa dela. A Licinha tinha acabado de chegar do sítio. Ficamos conversando até quase 8h30. Vim pra casa assistir a um filminho que peguei na locadora. Marquim acabou de ligar de Batalha. Tô achando que ele vai dar o cano na gente e não vai pra Campo Maior amanhã não. Eu, Lícia e talvez a Stelma rumaremos pra lá amanhã umas 10h30. Eita, ferro... só vai dar nós no forró.

Hoje, eu conversei com o Reginaldo e a Liciane sobre uma coisa que pensei nesses dias. Não tô querendo encontrar ninguém por quem possa me apaixonar. Não tô a fim de me envolver, sabe? Não tô a fim do dia seguinte, como ouvi de uma pessoa acolá. Isso não quer dizer que eu vá dispensar o assédio, o carinho ou a possibilidade de conhecer as pessoas. Quero mais é me divertir. Me permitir, como diz a Sayô. Mas com o critério único de resguardar meu coração.

 

 

 



Escrito por Anucha às 22h55

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Viver de migalhas é bom!

 

"...percebi que a felicidade só existe em fragmentos e que,

por isso, você não pode ser feliz, apenas estar feliz...

a busca pela felicidade plena e absoluta é vã simplesmente

porque felicidade não existe em estado sólido e permanente. O verbo ser não tem utilidade aqui: não se pode querer ser rica, ser magra ou ser famosa para assim se alcançar o bem-estar supremo.

Felicidade jamais ocorre em estado contínuo – só em migalhas. Tudo o que podemos fazer é aceitar, reconhecer e valorizar essas abençoadas migalhas"... (Milly Lacombe)

 

Isso aí foi o início de um mail que a Sayô mandou pra mim hoje de manhã, depois de uma super farra que nós fizemos ontem. Olha só a mesa: Amaro Filho, Aline, Fábio, Marcos, Stelma, Marquinho, Lícia, Fabim, Raquel, Hélio, Maria Alice, eu, Sayô e André. Pense que foi bom pa porra! Vavá Ribeiro cantando no Egipe. Jorge Filho arrasando nos intervalos do Vavá, a gente tomando nossa bebidinha e o astral lá em cima.

Eu tava feliz da vida. Num sei bem explicar por quê. Acho que era tudo junto: o café na casa da Lilane ontem foi tudo de bom (eu, Carina, Vanessa, Marina, Laline, Lilane, Juliana e Nilsa), a mesa no Egipe tava bem festiva, alegre (do jeito que eu mais gosto!) e eu tava me sentindo bonita, atraente, segura e isso é prática da recuperação da minha auto-estima. Devagar e sempre eu chego lá!

Quando o Vavá acabou de cantar, a gente foi lá pra dentro, onde o Sandro parece ter caprichado nos DVDs. Só música boa pra dançar. E agente dançou pra se acabar. A gente fez uma folia na “boate” até umas 4h da matina. É mole!?

Depois, eu não queria ir pra casa, queria conversar, esticar mesmo. Fui bater no Pernambuco com o André e foi bacana demais. Ele é um cara legal, viu? Adorei a noite. Já era manhã quando o Pedim Tatoo ia passando e eu o chamei prum bate-papo. Aí é que a folia foi fechada com chave de ouro mesmo. Rimos muito.

A moral dessa história toda é uma só. Minha vida ta entrando nos eixos. Não me deprimo mais lembrando do passado. Não busco mais na memória nada que me desagrade pensar. Deleto. O Luizinho disse isso pra mim na segunda: SÓ PENSE NO QUE FOR BOM! Tenho seguido à risca. E tem funcionado.

Ando sorrindo de graça. E isso é próprio do meu estado de espírito inquieto, buscador de novidades, ávido pelas tais migalhas de que fala a Milly, citada lá em cima. Acho que ela tá certa mesmo. A gente vive de momentos felizes, migalhas de felicidade, que vão fazendo a gente acreditar que é possível dizer, quase como quem não quer nada: EU SOU FELIZ! 

Marquim tá pra Batalha, Amaro vai amanhã, Lícia foi pro sítio, Stelma não quer sair, Liciane e Reginaldo ligaram pra mim, eu e Sayô vamos pro MPBar. Como amanhã de manhã eu não trabalho... mais uma noite de diversão!

 

 

 

 



Escrito por Anucha às 21h30

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Um presente, uma honra, uma dádiva

 

A luz faltou hj lá na Fundação umas 9h e eu precisava fazer um release sobre a programação de combate à tuberculose pra ontem. Não contei conversa, fui pra SEMCOM e, chegando lá, me botaram no computador do Secretário Municipal de Comunicação, que vem a ser um grande amigo que tenho: Mussoline Guedes. E oi que ser amigo de colega (jornalista) é meio brabo, viu? Mas me orgulho de dizer que somos, sim, amigos.

Tava lá eu toda compenetrada quando ele entra vindo da sala do prefeito. Eu brinquei que estava ali para substituí-lo e ganhei de volta um abraço afetuoso. Próprio dos que têm bom coração. E isso a gente sente, né? Incrível como essa energia passa num abraço...

A melhor coisa do dia: ficamos conversando por cerca de meia hora. O suficiente para reafirmarmos a confiança um no outro e um no trabalho do outro. Conheço o Mussa, como o chamo carinhosamente, desde o tempo em que ele era um simples repórter do DP. E já admirava o seu texto. Depois, ele foi pauteiro de um telejornal em que eu era repórter. Anos mais tarde, foi meu editor-chefe no O Dia. Ah, como eram boas as nossas conversas “no confessionário” sobre política, assuntos gerais e sobre as nossas angústias com essa profissão que resolvemos abraçar por paixão.

Antes de ele assumir a secretaria, tivemos uma conversa rápida e muito bacana. Como eu já havia trabalhado com o prefeito, então secretário de saúde, trocamos algumas figurinhas. Hj, atualizamos o nosso jogo de figurinhas. E como foi legal ver que o meu amigo amadureceu. Melhor ainda foi enxergar que ali está conservado o homem admirável que ele é: sensível, inteligente e merecedor das boas oportunidades. Já em casa, recebi um mail dele. Em suma, ele dizia que fica muito feliz quando conversa comigo. Se sente vivo, entusiasmado pra vida e para o trabalho. E eu mais feliz ainda de poder proporcionar isso nele. Respondi, ratificando a minha amizade! Amigos como o Mussoline deveriam ser conservados pra sempre. Porque sempre serão fiéis.

Hj também recebi um telefonema que cobrava de mim retorno das mensagens que recebi pelo cel. A criatura tava até meio sentida, sabe? E o pior é que eu respondi a todas. Umas quatro. E ele nada de receber. Combinamos de ir com a turma toda pro Egipe hj à noite. Vavá vai cantar e a gente vai se esbaldar. Não trabalho amanhã de manhã.

Ah, ontem foi uma noite bem agradável. Depois de ir na casa da Carina, onde batemos um papo bem gostoso, como nos bons tempos que nossa amizade começou. Fui pro aniversário do Bebeto no Detroit com a Lícia e o Marquim. Alcione, Stanley, Aline, Beto e Cristina, Liana e Luiz estavam lá. Rimos tudo o que tínhamos direito e um pouco mais. A noite não poderia ter sido mais legal.

 



Escrito por Anucha às 18h13

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Antecipando o beijo...

Como sei que muita gente vai passar aqui hj de tarde e só volta de novo na segunda. E não tenho tempo agora pra atualizar de verdade... passei pra dar um alôzinho pra vcs.

Como a Páscoa tá bem aí, desejo toda a paz, todo o aconchego de família, toda a alegria dos amigos, todos os ovos de chocolate dos mais deliciosos, toda a festa ao redor da mesa grande... enfim, tudo o que for do bem pra você que me visista e que me quer bem. E também pra quem não me quer bem. (Pôxa, será que tem quem realmente não goste de mim? Eu me sinto uma pessoa tão bacana! hehe)

Vou voltar mais tarde, de tardezinha, pra postar com mais calma, com mais cuidado, porque vc merece. E eu também, né? Afinal, como já disse, escrevo aqui muito mais por mim. Essa é minha dose diária de catarse, terapia, desabafo, compartilhamento de mim.

FELIZ PÁSCOA!



Escrito por Anucha às 14h13

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Fora de área...

É como me sinto hoje. Não por outa coisa... mas é que meu PC resolveu dar pau de novo. Chamei o Alexandre, que funciona como meu "suporte", mas acho que ele não vai poder me ajudar hj.

Portanto, daqui da TV MN, entro aqui só pra dizer que prezo muito cada pessoa que entra aqui e deixa ou não os seus comentários. Mas hj acho que não vou aparecer. Volta amanhã, então, tá? Pode ser que eu já possa dizer algo novo.

Claro, né?! Sempre tenho algo a dizer. Nem que seja uma besteirada só! Bjin 



Escrito por Anucha às 16h56

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Mais musical, impossível!

 

Amanheci ouvindo Max Viana hoje. O filho do Djavan, que tem um CD bem bacana chamado “No calçadão”. Voz doce, melodias delicadas e letras idem. Acordei com vontade de ouvir música que fale de amor, de sentimento bom.

Logo cedo, uma bronca: um jornalista resolveu levar pra coluna dele comentários / críticas sobr a minha vida pessoal. Ou assuntos que trato aqui no blog. Me retei! Fiz um desabafo e li como editorial no Tudo à Tarde. Tô cheia disso. Antes de ser a jornalista Anucha Melo, sou a pessoa Anucha Melo, que pensa, sente, opina, chora, ri, se embriaga, vomita, tem diarréia, desliza, cai, levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima... Pronto! Chega desse assunto chato...

O assunto bom. Ontem, encontrei no forró com uma figurinha que eu adoro, a Luizinha, filha de uma amigo que eu amo de paixão: o Luizinho de Aracaju. Foi emoção demais. A última vez que tinha estado com ela... bem, ela deveria ter uns 12 anos, eu acho. Ontem, ali estava uma moça na minha frente, toda compenetrada, estudante de rádio e tv. Minha futura colega. Combinamos de nos encontrar, tomar sorvete, ver filme, conversar. Saber uma da outra, enfim... Na hora, mandei uma msg pro cel do pai dela.

Hoje, tentei ligar duas vezes pro Luizinho. E nada. E sabe o que aconteceu umas 9h30 da noite? Ele me ligou de Aracaju, onde ta passando férias. Mas o mais incrível! Não viu a mensagem, nem falou com a Luizinha. Apenas “OUVIU” o meu chamado, como o grilo falante que escuta o assovio. Eu simplesmente caí no choro. Há um tempão não falava com ele. E o Luizinho foi uma das pessoas mais importantes na minha vida.

Vou contar essa história... Em 98, eu trabalhava no jornal MN e era bem gorducha. Aí, meu noivo na época foi morar numa cidade bem longe no Ceará e eu ficava muito só lá no jornal ouvindo minhas fitas (isso mesmo! Fitas cassete) Aí, ele vinha e começava a cantar e a contar umas histórias de quando ele morava em Aracaju, da mãe dele, dos filhos, da Rosinha, esposa dele...

O que aconteceu? É que ele começou a me mostrar que eu estava recolhida, na minha porque tinha vergonha de mim (eu era bem gorducha mesmo...) Aí, sempre vinha me dar banho de auto-estima. Aos poucos, fui emagrecendo, gostando do resultado e passando a sair com os colegas do jornal. Acho que o Luiz me fez me enxergar de forma diferente. Digo sempre: devo a ele esse retorno à vida boa!

Ele tocava na Segunda Sem Lei do Chopizza e eu lembro que a gente ensaiou uma música do Orlando Moraes pra cantar lá. Era um momento bem especial. A gente era aplaudido. Eu ficava lá toda envergonhada e orgulhosa ao mesmo tempo. Pelo menos ali, meu sonho encantado de ser cantora era realizado...

Fico por aqui e deixo vocês com a tal música que a gente cantava.

 

A Montanha e a Chuva
Orlando Morais


Eu queria tanto lhe dizer
Da minha solidão, da minha solidez
Do tempo que esperei por minha vez,
Da nuvem que passou e não choveu...
Minhas mãos estão no ar
Como aeroporto pra você aterrissar
Também sou porto, se quiseres ancorar...
Sou ar, sou terra e sou mar
Eu tenho a mão e você tem a luva,
Eu sou montanha e você é chuva
Que escorre e some no final da curva
E beija o rio, pra abraçar o mar
É por isso que a montanha tem ciúme
Quando o vento leva a chuva pra dançar
Muitas vezes tudo acaba em tempestade
Raios gritam sobre a tarde,
Tardes dormem ao luar,
Anoitece a minha espera,
Amanheço a te esperar
A te esperar...



Escrito por Anucha às 23h26

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Compromisso de vida plena!!!

Acordei tarde hj. 1h30 da tarde. (Sono bom. Relaxado. Depois de uma noite realmente muito boa. Feliz.) Vim direto ler os comentários do blog e do flog. Sempre faço isso e hj me chamou a atenção algo que li no flog vindo de alguém que eu nem conheço, mas que é amiga da Dandinha. Então, só pode é ser gente do bem! Amélia Rocha me deixou muito feliz com o que disse a meu respeito. Só de olhar a minha alma pelas fotos postadas lá.

Olhaí: "encantei-me com seu olhar honesto e sua honra à vida, com o seu respeito ao compromisso de vida plena. Obrigada! Assim, passo para deixar um pouco de Neruda by Airton Monte por Carla M'ohea 'felicidade é viver sem excluir deliberadamente nada, sem aceitar deliberadamente nada, mas entrando na profundidade das coisas num ato de arrebatado amor'. Seja cada dia mais feliz Anucha Melo!"

Quer saber? Acho que lá de longe ela me percebeu como poucos. Talvez muito poucos mesmo saibam como estou vivendo a minha vida. De verdade. Só quem anda comigo sabe da felicidade que carrego na sacola. Hj, comprando umas esfirras no the shopping, o atendende perguntou: "você é sempre alegre assim?" Eu respondi: "na maioria das vezes". Fico feliz de transmitir isso às pessoas. Ser alguém alegre, sorridente, feliz. É isso. EU SOU FELIZ!

A vida, o destino, o universo têm conspirado para que eu seja assim. Pensa aí. Ontem, na festa da Luna. Eu e Sayô dançamos na boate como nos velhos tempos e foi massa. A gente, mais Cíntia Silveira, Dandinha, Ana Lobo, Cacá Silveira, as irmãs da Sayô e o amigo dela, o André, ficamos cantando e tomandos umas lá no quintal. Pense que foi massa! Rolou até paquera... Gente, eu tô viva!

Hj, peguei o Corpo pra almoçar aqui comigo. O Marquim adora cozidão. E esse foi o prato que a Guinha fez pra mim, porque ela sabe que eu adoro. Fomos pra casa da Lícia, com o compromisso de pasar no Casarão, mas não demorar. Dito e feito. Tomamos duas cocas e fomos pro The Shopping + a Lis e a Geysa. menino, mais foi bom. Rimos pra se acabar. E quando a gente pensava que o programa ia acabar... quem liga? Fábio Polar. Chamando a gente pra ir pro Mais 1 pr'uma farra de forró. 

Rapaz, mas foi bacana demais. Há muito, muito tempo eu não me permitia um programa assim. Dancei que tô literalmente com dor nas cadeiras. Acho até que tenho procurar de novo o dr. José Renato. Tô até preocupada com essa dor... Mas, sim... encontrei com o André, que conheci na casa da Sayô na noite passada. Gente boa demais. Dançamos forro um tempão. Dança bem ele. E eu encharcada de suor, parecia ter tomado um banho de chuva. Aliás, que pé d'água foi aquele!?! Depois, chegaram o Fábio e o Hélio. Pense em duas figuras que dançam!!! Afe... Combinamos até de irmos pra Campo Maior no sábado de aleluia pruma vaquejada e prum forró. Eita, inferno pra dar cão!!!

 



Escrito por Anucha às 01h20

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Uma rapidinha... (hehehe)

Ei, pessoal... tô correndo aqui. Não vou me demorar hoje com vocês. É que passei o dia fora e ainda tenho que me arrumar pra ir ao aniversário de 14 anos da filha da Sayô. meu Deus, a Luninha já tá uma moça. E eu, amiga da mãe dela há mais ou menos esse tempo. Talvez mais um pouquinho. E estamos curtindo muito essa possibilidade de voltarmos a nos frequentar, nos reencontrar, nos divertirmos juntas. Vai ser o maior fuá na casa dela hoje. Uma galera pra tocar violão e cantar. Sem hora pra terminar...

Hj à tarde, fui com a Lícia pro Detroit. Lembrando os velhos e bons tempos. Rasgamos lá nossos corações e demos força uma a outra. Legal a gente está próxima assim. Dividi com ela acontecimentos da noite passada. Boa ouvinte. Melhor conselheira. Rimos muito de tudo. SÓ PRA CONTROLE: adoro quando eu ponho em prática aqueli que disse o Geraldo Vandré. QUEM SABE FAZ A HORA. NÃO ESPERA ACONTECER! Depois, chegou a Lidchinha, irmã dela e uma das minhas melhores amigas. Estávamos na gela e a Lis nos acompanhou. Em seguida, Amaro Filho foi bater lá. Mais uma companhia agradável pra eu achar! De lá, fomos pra casa do Marquim tomar uma coca-cola e fazer companhia a ele, que tava fazendo uma porrada de sushi pro casamento da Adriana Camarão.

Bem, pessoal... apareçam aqui. tenho sentido falta de muita gente que fazia parte da corrente do bem.

 



Escrito por Anucha às 19h53

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Porque eu adoro música...

Vou fazer diferente... vou contar meu dia de ontem de trás pra frente. Voltei pra casa umas 2h30 de hj. E por quê? Porque levei duas amigas queridas para o Cabaré do Marquim, a casa do meu amigo que faz sushi, lembra? E ainda encontrei outra que já está fazendo parte dos meus afetos bem caros. Sayô Holanda e Cíntia Silveira estavam bem comportadinhas no começo da noite. Mas no final renderam-se à magia da cozinha do Marquim e foi lá mesmo que o fuá aconteceu. Botamos forró, brega, Alcione... vixe... só deu nós. O Naka e a Sanka se aprochegaram e o astral ficou ainda melhor. Que alegria aquilo ali, gente! A Cíntia ficou encantada. E filosofou: “A felicidade vem das coisas simples.” O que eu concordo em gênero, número e grau. (Essa é uma expressão que a Corrinha, minha mãe, usava muito. Acho linda!)

Antes, eu, Cíntia e Sayô estávamos no show do Flávio Venturini. Muito bacana!!! Músicas que tocam a minha alma lá no fundinho. Cantei pra caramba. Antes, ainda teve show do Vavá Ribeiro. O cara foi aplaudido de pé, gente! Maior emoção. (Ei, Pinho, o CD chegou. Vou mandar, viu?)

Mas o meu dia é que foi dureza. Correria demais, papaidocéu! Não sei em quantas tive que me virar, viu? Agendando entrevistas para a banda Dona Zefa, enviando material da banda pros jornais, fazendo uma pesquisa para um texto que prometi fazer pruma amiga, fazendo os rols de perguntas do Tudo à Tarde, fazendo a coluna, escaneando fotos pra coluna, enviando para o jornal... Eita, teve uma hora que eu pensei que num ia dar conta. Mas dei. Pronto.

Sei, você quer saber mais daquela história que tá rolando comigo, né? Mas eu não vou falar nada, não, ta? Porque realmente não tem novidade e porque num tá, de fato, acontecendo nada. Só um clima bom em compasso de espera. Nada de pressa. Nada de euforia. Nada de criar castelos de areia. Só a massagemzinha boa danada na alma, que faz abrir o sorriso mais pleno. Um jeito mais feliz de levar a vida, eu acho. Mais leve... De leve, de neve, de coração... Como diria o Vavá! Mas eu vou deixar você é com uma música que ouvi no show do Venturini. E que eu ouvi com ouvidos de escutar meeeeeeeeeeeeeesmo!

Mais Uma Vez

Composição: Renato Russo / Flávio Venturini

Mas é claro que o sol
Vai voltar amanhã
Mais uma vez eu sei
Escuridão já vi pior
De endoidecer gente sã
Espera que o sol já vem
Tem gente que está
do mesmo lado que você
mas deveria estar do
lado de lá
Tem gente que machuca
os outros
Tem gente que não sabe amar
Tem gente enganando a
gente
Veja nossa vida como está
Mas eu sei que um dia a
gente aprende
Se você quiser alguém em quem confiar
Confie em si mesmo

Quem acredita sempre alcança
Mas é claro que o sol
Vai voltar amanhã
Mais uma vez eu sei
Escuridão já vi pior de endoidecer gente sã
Espera que o sol já vem
Nunca deixe que lhe digam
que não vale a pena
acreditar num sonho que se tem
Ou que seus planos nunca vão dar certo
Ou que você nunca vai ser alguém
Tem gente que machuca os outros
Tem gente que não sabe amar
Mas eu sei que um dia a gente aprende...



Escrito por Anucha às 09h49

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com



Dia cheio... mas estou feliz!

De manhã, contatos com pousadas em Jeri. Será que vai dar pra gente viajar? Depois, casa... almoço rápido, entro no msn pra falar com a Cíntia, minha produtorinha, e quem encontro vapt-vupt? Isso mesmo. O cara do post da terça. Alegria, alegria!

De tarde, depois do Tudo à Tarde, vim em casa e um mail dele me fez recuar. Não me chateei. A prudência é algo que eu preciso aprender a cultivar. Retornei o mail, com um pé atrás. Liguei e ele foi gentil e breve. Retornou depois, mas eu não ouvi a chamada. (Só depois saberia que ele queria apenas se desculpar por ter sido tão "seco"...)

De noite, mais uma vez, os encontros das quartas na casa da Lilane, minha Neguinha querida. Estávamos Lilane, eu, Juliana e vanessa. Levaram falta: Carina, Nilsa, Roberta e Laline. Fizemos uma espécie de CONSELHO, que vai discutir assuntos do interesse da gente. Parece que estamos aos poucos nos unindo de novo. E essa felicidade ninguém tira de mim. Uma das melhores amigas que tive e que, se Deus quiser, vou cativar de novo! Fui à inauguração da Casa da Criança, fotos pra minha coluna no jornal, encontro com gente bacana, mas não estava ali... definitivamente.

Liguei pra Sayô e fui pra casa dela conversar. É outra que me saca muito bem. Claro que a vida nos transformou em pessoas diferentes. Mas, na essência, sou a mesma. E ela também. Que bom! Ela me ouviu, fez considerações importantes e voltei pra casa mais forte. Mais certa do que eu quero e do que eu não quero.

Ao chegar, ligo o msn... quem entra? Ah, não vou contar detalhes dessa história que não sei nem se começou, né? Basta que você, que me acompanha e torce por mim, saiba que a gente conversou bem muitão. E a curiosidade foi tamanha que a gente acabou se ligando. E ele, que se dizia tímido, falou mais dele do que eu de mim. E eu é que sou a tagarela!!!

"HOJE O TEMPO VOA, AMOR. ESCORRE PELAS MÃOS. MESMO SEM SE SENTIR. E NÃO HÁ TEMPO QUE VOLTE, AMOR. VAMOS VIVER TUDO O QUE HÁ PRA VIVER. VAMOS NOS PERMITIR..." (Lulu Santos)

SE EU TÔ FELIZ? Sim, eu tô bem legal. E o motivo sou eu, meu estado de espírito, minha vontade de viver a vida, meu desejo de que os astros confabulem a meu favor, meu pedido para que os anjos digam AMÉM!!!



Escrito por Anucha às 01h40

[ ]

[ ]

[ envie esta mensagem ]



Image hosted by Photobucket.com